31 August 2010

THE GASLIGHT ANTHEM - THE MAKING OF "AMERICAN SLANG"





















(2010)
É A GUERRA, PORTUGUESES, É A GUERRA!



Bravos sarracenos do Allgarve levantam-se em armas contra os borgonheses fundadores da West Coast Of Europe

Entretanto, lá fora, no mundo real...


(daqui)

(2010)
OMG! OMG! OMG!



COLUMBIA RECORDS TO RELEASE BRUCE SPRINGSTEEN'S 'THE PROMISE: THE DARKNESS ON THE EDGE OF TOWN STORY' NOV. 16

BOX SET INCLUDES 3CD/3DVD PACKAGE OF REMASTERED ALBUM, NEVER-BEFORE-SEEN STUDIO & LIVE FOOTAGE, 80-PAGE NOTEBOOK, 21 PREVIOUSLY-UNRELEASED SONGS, AND AN EXTRAORDINARY DOCUMENTARY FILM THAT WILL DEBUT AT THE TORONTO FILM FESTIVAL SEPT. 14 AND ON HBO OCT 7



PACKAGE FEATURES NEARLY SIX HOURS OF FOOTAGE, INCLUDING CLASSIC 1978 HOUSTON PERFORMANCE, AND MORE THAN TWO HOURS OF AUDIO

COLUMBIA TO SIMULTANEOUSLY RELEASE 'THE PROMISE' DOUBLE CD COMPLETE SONGS FROM DARKNESS ON THE EDGE OF TOWN'S LOST SESSIONS (aqui)

(2010)

30 August 2010

CITY GHOSTS (XXXIX)

Amsterdão, Holanda, 2010















(2010)
ANO DO TIGRE (XV)

Três Tristes Tigres






(2010)
EU ESTOU-ME BEM NAS TINTAS PARA SABER ONDE O CHEFE MÁXIMO COMPRA OS TRAPINHOS (EMBORA AQUELAS GRAVATAS, VALHA-ME DEUS!...); O QUE ME PREOCUPA É QUE, DEPOIS, O INVEJOSO DO P.O.V.O. TAMBÉM QUER FAZER "BOA FIGURA" E LÁ VAI OUTRA VEZ A ECONOMIA PARA O BURACO

Antes


Depois


(a notícia já não é recente mas é por ninguém dar importância a estas coisas que, como me dizia ainda há bocadinho um filósofo do asfalto, "isto está como está")

(2010)

29 August 2010

VINTAGE (X)

Pink Floyd


"See Emily Play"



"Corporal Clegg"



"Apples And Oranges"



"Arnold Layne"

(2010)
THE BOX - REAL. RICHARD KELLY



Uma matryoshka infinita concebida por M.C. Escher. Sartre em versão sci-fi realizada por David Lynch. The Third Man reescrito por Philip K. Dick. Lulu On The Bridge em colisão frontal com The Day The Earth Stood Still. O Milgram Experiment (sort of) redesenhado por Arthur C. Clarck. O mito de Adão e Eva a flutuar entre Barton Fink e The Shining. Uma "morality play" em formato "mindfuck" dirigida por Richard Kelly mas sem coelhos gigantes. Muito provavelmente, um mau filme. Se calhar, ridículo. E absolutamente fascinante. Com uma magnífica banda sonora de Win Butler, Régine Chassagne e Owen Pallett (sim, esses mesmos).

(2010)

28 August 2010

THE GASLIGHT ANTHEM - "THE '59 SOUND"
(sequência daqui)


Performance only version



Videoclip oficial

(2010)
ANO DO TIGRE (XIV)

Emily Duncan e Melissa (tigres de Hélia Correia)






(2010)
E PRONTO, FOI SÓ MAIS UMA QUERELA À PORTUGUESA,
COM ESCRITOR PORTUGUÊS, TROPA À PORTUGUESA E
HERÓIS PORTUGUESES: NINGUÉM FOI AO FOCINHO DE
NINGUÉM, DUAS CARTITAS E AMIGUINHOS COMO ANTES




"Duas cartas apenas - trocadas entre António Lobo Antunes e o presidente da Liga dos Combatentes, general Chito Rodrigues - bastaram para que acabasse a polémica à volta das memórias do escritor sobre a guerra colonial, consideradas 'insultuosas' por um grupo de militares. As ameaças de 'ir ao focinho' do autor ou de lhe 'dar um par de murros em público' acabaram, literalmente, por ficar no papel" ("Expresso" de hoje)

(2010)
PORQUE HOJE É O DIA DE SANTO AGOSTINHO,
DOUTOR DA IGREJA, AQUI SE RECORDA COM A
MÁXIMA DEVOÇÃO UMA SANTÍSSIMA TRADIÇÃO
CRISTÃ POR ELE JÁ PRATICADA E APROVADA E
QUE CONTINUA BEM VIVA NA CASA DO SENHOR



Santo Agostinho - Philippe de Champaigne, 1645-1650

"Augustine, as bishop of Hippo, appointed his monk, Antoninus in the 410s to be bishop of a subordinate diocese in Fussala, one of Africa's relatively few villages, in the hills of what is now eastern Algeria. Antoninus turned out to be a bad man - he was young and from a poor family, he was promoted too fast - and he terrorized the village, extorting money, clothing, produce and building materials. He was also accused of sexual assault. Augustine removed him, but did not depose him, and tried to transfer him to the nearby estate of Thogonoetum. Here, the tenants told Augustine and their landowner that they would leave if he came. (...) Augustine was very embarrassed, as indeed he should have been ('I did not dare look the people of Fussala in the eye'). (...) It is not surprising that Augustine's main fear was that the peasants would revert to the Donatist church, abandoning Catholic Christianity altogether" (The Inheritance Of Rome/A History Of Europe From 400 To 1000 - Chris Wickham)

(2010)

26 August 2010

ALGERNON CHARLES SWINBURNE - HYMN TO PROSERPINE
(After the Proclamation in Rome of the Christian Faith)
(sequência daqui)



(...) Though the feet of thine high priests tread where thy lords and our forefathers trod,
Though these that were Gods are dead, and thou being dead art a God,
Though before thee the throned Cytherean be fallen, and hidden her head,
Yet thy kingdom shall pass, Galilean, thy dead shall go down to thee dead.

(...) Therefore now at thy feet I abide for a season in silence. I know
I shall die as my fathers died, and sleep as they sleep, even so.
For the glass of the years is brittle wherein we gaze for a span;
A little soul for a little bears up this corpse which is man.
So long I endure, no longer; and laugh not again, neither weep.
For there is no God found stronger than death; and death is a sleep.

(poema integral aqui)

(2010)
ALEGRE AMSTERDÃO (VI)

Gay Pride 2010 - 4















(2010)
FOOD FOR THOUGHT (II)


(daqui)

(2010)

25 August 2010

E O MUNDO PODERIA TER SIDO TÃO DIFERENTE E TÃO MELHOR...



Flavius Claudius Julianus (331/332 – 26 June 363), commonly known as Julian, Julian the Apostate or Julian the Philosopher, was Roman Emperor from 355 to 363. He is also a noted philosopher and Greek writer. (...) He was the last non-Christian ruler of the Roman Empire and it was his desire to bring the empire back to its ancient Roman values in order to save it from "dissolution". He purged the top-heavy state bureaucracy and attempted to revive traditional Roman religious practices at the cost of Christianity. His rejection of Christianity in favour of Neoplatonic paganism caused him to be called Julian the Apostate by the church. Interestingly, he was also the last emperor of the Constantinian dynasty - the empire's first Christian dynasty. (...)

After gaining the purple, Julian started a religious reformation of the state, which was intended to restore the lost strength of the Roman state. He supported the restoration of Hellenistic paganism as the state religion. His laws tended to target wealthy and educated Christians, and his aim was not to destroy Christianity but to drive the religion out of the governing classes of the empire — much as Buddhism was driven back into the lower classes by a revived Confucian mandarinate in 13th century China.

He restored pagan temples which had been confiscated since Constantine's time, or simply appropriated by wealthy citizens; he repealed the stipends that Constantine had awarded to Christian bishops, and removed their other privileges, including a right to be consulted on appointments and to act as private courts. He also reversed some favors that had previously been given to Christians. (...) On 4 February 362, Julian promulgated an edict to guarantee freedom of religion. This edict proclaimed that all the religions were equal before the law, and that the Roman Empire had to return to its original religious eclecticism, according to which the Roman State did not impose any religion on its provinces. Practically however, it had as its purpose the restoration of paganism at the expense of Christianity.


Coroação de Juliano em Cluny - Felix Thorigny (1823-1870)

Since the persecution of Christians by past Roman Emperors had seemingly only strengthened Christianity, many of Julian's actions were designed to harass and undermine the ability of Christians to organize resistance to the re-establishment of paganism in the empire. Julian's preference for a non-Christian and non-philosophical view of Iamblichus' theurgy seems to have convinced him that it was right to outlaw the practice of the Christian view of theurgy and demand the suppression of the Christian set of Mysteries.

In his School Edict Julian required that all public teachers be approved by the Emperor; the state paid or supplemented much of their salaries. Ammianus Marcellinus explains this as intending to prevent Christian teachers from using pagan texts (such as the Iliad, which was widely regarded as divinely inspired) that formed the core of classical education: "If they want to learn literature, they have Luke and Mark: Let them go back to their churches and expound on them", the edict says. This was an attempt to remove some of the power of the Christian schools which at that time and later used ancient Greek literature in their teachings in their effort to present the Christian religion as being superior to paganism. The edict was also a severe financial blow, because it deprived Christian scholars, tutors and teachers of many students.


O Imperador Juliano, o Apóstata, queimando os ossos de
S. João Baptista - Mestre do retábulo de S. João, sec. XVI


In his Tolerance Edict of 362, Julian decreed the reopening of pagan temples, the restitution of confiscated temple properties, and the return from exile of dissident Christian bishops. The latter was an instance of tolerance of different religious views, but it may also have been seen as an attempt by Julian to foster schisms and divisions between different Christian sects, since conflict between rival Christian sects was quite fierce.

His care in the institution of a pagan hierarchy in opposition to that of the Christians was due to his wish to create a society in which every aspect of the life of the citizens was to be connected, through layers of intermediate levels, to the consolidated figure of the Emperor — the final provider for all the needs of his people. Within this project, there was no place for a parallel institution, such as the Christian hierarchy or Christian charity. (...)

In 363, Julian embarked on an ambitious campaign against the Sassanid Empire. Though initially successful, Julian was mortally wounded in battle and died shortly after. (...) Considered apocryphal is the report that his dying words were νενίκηκάς με, Γαλιλαῖε, or Vicisti, Galilaee ("You have won, Galilean"), supposedly expressing his recognition that, with his death, Christianity would become the Empire's state religion. The phrase introduces the 1866 poem Hymn to Proserpine, which was Algernon Charles Swinburne's elaboration of what a philosophic pagan might have felt at the triumph of Christianity. (daqui)

(2010)
AGORA E SEMPRE UM SÁBIO PONTO DE VISTA


John Cale - "Fear Is A Man's Best Friend"

Standing waiting for a man to show
Wide eyed one eye fixed on the door
This waiting's killing me, it's wearing me down
Day in day out, my feet are burning holes in the ground

Darkness warmer than a bedroom floor
Want someone to hold me close forever more
I'm a sleeping dog, but you can't tell
When I'm on the prowl you'ld better run like hell
You know it makes sense, don't even think about it
Life and death are just things you do when you're bored
Say fear's a man's best friend
You add it up it brings you down

Home is living like a man on the run
Trails leading nowhere, where to my son?
We're already dead, just not yet in the ground
Take my helping hand I'll show you around
You know it makes sense, don't even think about it
Life and death are just things you do when you're bored
Say fear's a man's best friend
You add it up it brings you down

(2010)

24 August 2010

22 August 2010

SANTÍSSIMA CRUZADA

Arcade Fire - The Suburbs

Garantem os relatos históricos que, quando, em 1087, Guilherme, o Conquistador, foi sepultado, em Caen, na abadia de Saint-Etienne, o seu corpo estava de tal forma obeso e inchado que, não cabendo no sarcófago que lhe havia sido destinado, o enorme esforço que foi necessário para aí o introduzir teve como pestilenta consequência o rebentamento do cadáver. Episódio assaz semelhante – por diversos motivos, como, adiante, se verá – ao primeiro falecimento do rock progressivo/sinfónico, pelo meio da década de 70 do século passado: não menos insuflada e pomposamente imperial, a música de todos os Yes, ELP, Pink Floyd, Barclay James Harvest ou Rick Wakeman da época só precisou de um apertão da canalha punk para conhecer destino tão pouco edificante quanto o do temível Guilherme. Mas, do mesmo modo que, com ele, aconteceu, apesar de defunto, a sua influência não se extinguiria facilmente: se, a partir do punk, a opção "less is more" determinaria, em boa medida, grande parte da produção das diversas sensibilidades indie/alternativas durante os períodos de 80 e 90, dos anos zero em diante, o apetite pela ênfase orquestral – já experimentado também, anteriormente, entre outros, pelos Echo & The Bunnymen, Tindersticks, Triffids ou Divine Comedy – regressaria e de forma particularmente voraz. Disciplinada, convenientemente emagrecida e esteticamente pertinente nos casos de Andrew Bird, Sufjan Stevens, St. Vincent, Noah & The Whale, Mumford & Sons, Grizzly Bear, My Brightest Diamond ou Fanfarlo (os ensinamentos históricos haviam sido devidamente digeridos através do filtro pop), porém, de novo, a escorregar para a grandiloquência messiânica com os Arcade Fire.

É muito difícil que uma educação mórmon não dê nisto (Jesca Hoop safou-se mas não é toda a gente que tem a sorte de poder ser "nanny" dos rebentos de Tom Waits): quem cresce a ouvir contar que Deus é de carne e osso e vive no planeta Kolob e que, se nos portarmos como Joseph Smith manda, iremos todos politeistamente procriar deusezinhos junto dele, só por acaso não dá consigo a proferir declarações portentosas e a imaginar-se o porta-voz iluminado de qualquer coisa. Win e William Butler foram à catequese dos Santos dos Últimos Dias e isso ajuda bastante a compreender o motivo por que hoje (ainda que não se afirmando como praticantes mórmons) continuam a fazer afirmações como "Os colégios internos, o exército e as igrejas são os únicos lugares onde as pessoas são obrigadas a permanecer em comunidade com gente que elas não escolheriam como companhia. Acho valiosa essa ideia de comunidade com pessoas com quem não temos nada em comum" ou “A Bíblia fala muito acerca do temor perante Deus. Esse é o tipo de medo que nos faz sentir o desejo de mudança”.


E também contribui utilmente para explicar as canções que os Arcade Fire interpretam: não há Grande Tema nem Interrogação Eterna que eles não se sintam tentados a abordar, preferencialmente naquele registo bombástico e monumental de quem galvaniza as tropas numa santíssima cruzada. Em The Suburbs, o alvo são os “kids” envenenados pela cultura-contemporânea-sem-alma-nem-coração que vegetam nos centros comerciais e que, mesmo sabendo que “the emperor wears no clothes, they bow down to him anyway”. O mundo está perdido, os subúrbios invadiram e devastaram a querida Mãe Natureza e, durante uma hora, qual sermão de proverbial tia velha, eles resmungam acerca de como (entrada para fanfarra sinfónica) “these days, my life I feel it has no purpose” e “tomorrow means nothing”. "City With No Children" assenta no riff de "Street Fighting Man", dos Stones, e, em "Sprawl II (Mountains Beyond Mountains)", Régine Chassagne parece mesmo à beirinha de, a todo o momento, se poder transformar na Deborah Harry de "Heart Of Glass". São os dois melhores instantes do álbum.

(2010)

21 August 2010

ONDE RAY BRADBURY, TRÊS BLOGS (ESTE, O DE RUI TAVARES E "A ORIGEM DAS ESPÉCIES"), RACHEL BLOOM E UMA DIVINDADE FELINA SE ENCONTRAM


Rachel Bloom - "Fuck Me, Ray Bradbury" (daqui)




(2010)
O PENSAMENTO FILOSÓFICO PORTUGUÊS (LVI)

A tropa


O departamento de Estudos Étnicos e Crítica
Pós-Colonial no intervalo para o café


Já nos havíamos dado conta da vocação para a crítica de arte da bófia. É, por isso, menos surpreendente tomarmos conhecimento da existência de uma vibrante e convicta corrente de pensamento e crítica literária no interior da tropa:

"Um grupo de oficiais na reforma - entre os quais se conta o ex-chefe do Estado-Maior da Força Aérea, Morais da Silva - quer processar António Lobo Antunes por difamação e injúrias. Considerando-se insultados e ofendidos pelo 'chorrilho de infames mentiras' que o escritor usa sobre a guerra colonial, os militares - que cumpriram comissões de serviço em África - admitem mesmo dar 'um par de murros em público' ou 'ir ao focinho' do escritor que apelidam de 'bandalho' e de 'atrasado mental'". (no "Expresso" de hoje)

(2010)
VINTAGE (VII)

The Clash - "London Calling"



(2010)
TRANSPIRAÇÃO



Bruce Springsteen & The E Street Band - London Calling/Live In Hyde Park (duplo DVD)

Steve Van Zandt está com um facies de peixe-balão e aquela pinta de fazer coagular o sangue do mais maligno Drácula que foi aperfeiçoando durante a sua vida paralela como Silvio Dante, nos “Sopranos”. Clarence Clemmons, o único saxofonista do mundo capaz de tocar com uma banda de rock sem que, do palco, comecem imediatamente a escorrer Amazonas de óleo, é um discreto (porém, contundente, quando necessário) faraó. Max Weinberg, após diversos anos à ilharga de Conan O’Brien, cada vez menos foge a ser visto como o atinado chefe de família, profissional de seguros, de dia, e baterista, à noite (mas, claro, com horários flexíveis).



E, se não existisse, Soozie Tyrell teria de ser inventada: não apenas porque o timbre do seu violino circula já na corrente sanguínea da E Street Band mas também pela não menos importante razão de que o seu glamour de loira cabeleireira suburbana é – na ausência de Patti Scialfa – o perfeitíssimo contraponto do bravo operário metalúrgico Springsteen, mouro de trabalho e jóia de rapaz que, mesmo já entrado nos sessenta, dá o litro como muitos de vinte não conseguem.



Perdoem-me se volto a citar Tiago Guillul mas, depois de três horas ininterruptas de concerto, em Hyde Park, com pôr-do-sol e tudo pelo meio, faltam-me as forças: “Sempre os mesmos acordes. Sempre os mesmos xilofones sentimentais. Sempre as mesmas capas péssimas em subtis variações de auto complacência. Sempre os mesmos optimismos insufláveis ianques. Sempre as mesmas queixinhas de classe média. Sempre a mesma coisa. Bruce Springsteen não sabe fazer maus discos". Este duplo DVD (um quase-greatest hits ao vivo) não só não é mau como é, deveras, óptimo. A intensidade pode ser, objectivamente, medida pelo alastrar das manchas de transpiração na camisa de Bruce: começam no segundo tema e, ao quinto, já está ensopada. E ainda faltam mais vinte e cinco.

(2010)

20 August 2010

PROGRAMAÇÃO DE VERÃO (II)



É oficial: o potencial de abertura histérica de telejornais e de lucros para as farmacêuticas do H1N1 está esgotado. Mas, como o "show" e o "business" não podem parar, já se perfila novo candidato pronto a substitui-lo: a temível bactéria NDM-1. Embora a estratégia de marketing pudesse ter sido melhor - NDM-1 presta-se, facilmente, a confusões com H1N1... - abram-se, pois, as apostas acerca de quanto tempo irá ser necessário até que a Organização Mundial de Saúde decrete a pandemia e as GlaxoSmithKline da vida apareçam com a vacinazinha redentora. E, educativamente, reponha-se a integral do label "H1N1".

(2010)
MARINA ABRAMOVIC - ROLE EXCHANGE



"In 1975, Marina Abramovic had been a professional artist for 10 years. On the evening of July 2 of that year, the artist exchanged places with Suze, a woman who was a professional prostitute for 10 years as well. Both took on each other's roles for four hours – Abramovic sat in the prostitute's display window in Amsterdam's red light district, while Suze stood in for Marina Abramovic at the opening of her exhibition at De Appel. Both of them bore full responsibility for their unusual four-hour occupation. Their experiences where registered by means of two Super 8 cameras (...)".



"Like many of Marina Abramovic' works, Role Exchange deals with the female body – in this case in relation to architecture, space and the extreme social contexts in which women operate. By adopting the role of prostitute, Abramovic places herself within a space defined by explicitly masculine criteria, in which women construct an identity or fantasy catered to men's desires. On the other hand, Suze, the prostitute, performs a role within another carefully constructed social context: the art world, where such an 'intrusion' from everyday life highlights an art space's particular rituals and power structures as well. In this way, Role Exchange emphasises and shifts our perceptions, categorisations and expectations of the social environment and asks the question of authenticity – pointing out that identity is constructed by performing within the social systems in which we find ourselves". (daqui; audio)


Em exibição, actualmente, no Museu de História de Amsterdão, integrado em The Hoerengracht.

(2010)

17 August 2010

ESFORCEMO-NOS, SIM



GNR - Retropolitana

Tudo pediria para colocar o teclado em piloto automático e deixá-lo escrever sozinho “oito anos após o último álbum de originais, Do Lado dos Cisnes, saúda-se o regresso dos GNR, com Retropolitana”. Tudo pediria mas não vale a pena incomodar-se a pedir. Porque, ainda que o percurso dos GNR, desde o brilhante trio de partida – Independança (1982), Defeitos Especiais (1984) e Os Homens Não Se Querem Bonitos (1985) –, tenha tido algum perfil de montanha russa, nunca, verdadeiramente, como neste disco se aproximou tanto do que se assemelha perigosamente a um plano inclinado final. Não traz felicidade nenhuma fazer profecias destas: poucas bandas se podem orgulhar de ter contribuído de modo tão decisivo para a gramática da pop lusa como o grupo de Rui Reininho, Toli César Machado e Jorge Romão (sem esquecer o génio de Alexandre Soares nos capítulos iniciais).



Dos textos de Reininho (escrevi e não me arrependo que, no último meio século, apenas Alexandre O’Neill e Caetano Veloso coreografaram a língua portuguesa como ele) à tradução da new wave e do pós-punk para o perímetro entre Minho e Guadiana, não foi, obviamente, por acidente que os novíssimos pop-rockers do eixo FlorCaveira/Amor Fúria incluíram os GNR no seu panteão de divindades tutelares. A pequena tragédia é que Retropolitana tem muito pouco ou quase nada que o redima. Musicalmente raso, naquele registo de preguiçosa modorra-FM desesperantemente resignada e previsível, o que ainda resta de aventureirismo descobre-se apenas numa ou noutra curva das palavras e, mesmo aí – embora Reininho esteja geneticamente impossibilitado de escrever uma má letra –, a considerável distância das gloriosas gincanas semânticas a que tão mal fomos habituados. Esforcemo-nos, então, por acreditar que não é ainda a descida final da montanha russa mas só aquela queda arrepiante antes da escalada seguinte.

(2010)
O VERDADEIRO CANDIDATO DOS PORTUGUESES SIMPLES QUE VIVEM EM MASSAMÁ E NÃO VIVEM EM CONDOMÍNIOS FECHADOS, QUE PASSAM FÉRIAS JUNTO AOS NORMAIS PORTUGUESES E NÃO PASSAM FÉRIAS EM HOTÉIS DE LUXO E DE CINCO ESTRELAS, ESTE HOMEM QUE VEM DO POVO E COMPREENDE O POVO... NÃO DEVERIA SER... O CANDIDATO ANTICAPITALISTA DA FRENTE PCP/BE?



(2010)
É VERDADE QUE O NATAL AINDA VEM LONGE
MAS NÃO SE PERDE NADA EM COMEÇAR JÁ A
PENSAR NUMAS PRENDINHAS PARA OS NOSSOS
AMIGOS E PARENTES DE MAIOR FÉ E DEVOÇÃO
















(mais sugestões interessantes aqui)

(2010)