20 October 2014

O Mestre já me viu isto?... Esforça-se um Santo Homem para desarrincar umas metáforas pneumológicas catitas e logo o Mefistófeles se encarniça... 


 
STREET ART, GRAFFITI & ETC (CXLIII)

Londres, UK (Banksy)

O que é, de facto, quase poético (má poesia, poesia absurda, mas poesia) é a ingénua naturalidade da "questão óbvia de descendência e expectativa razoável" e o surpreendente salto que proporciona como trampolim para... "o socialismo"
Será, então, exactamente o que parece
Andam por aí uns javardolas a sujar os oceanos

18 October 2014

Sabina - "Mystery River"


Provavelmente, os verdadeiros europeístas:
 "uma aliança de tolos e idiotas"


"Lamento, mas não acredito em nada do que estes senhores dizem. E quando não se acredita neste logro institucionalizado, a nossa cabeça passa a pensar com meridiana clareza. Já não acredito há muito tempo e não acreditando, engano-me muito pouco. Pode parecer soberba, mas é puro bom senso, ou, quando muito, alguma atenção aos homens, aos actos e às palavras. Nunca me esqueço que o criador deste governo e deste Primeiro-ministro se chama Miguel Relvas, com a ajuda prestimosa de José Sócrates. Nunca embarquei nas medidas 'provisórias' e disse sempre que seriam definitivas até ao Tribunal Constitucional lhes por um travão. Nunca acreditei nas 'reformas estruturais' que nunca passaram de despedimentos e cortes. Nunca aceitei chamar 'poupanças, nem 'cortes nas despesas' aquilo que eram apenas cortes cegos, muitos dos quais de vão pagar muito caro, em novas despesas, como se vê na justiça, na educação, nos serviços públicos. Nunca aceitei chamar 'ajustamento' ao empobrecimento e destruição da classe média, e no enclausuramento dos pobres numa redoma de assistência e caridade.


Nunca deixei de olhar para os meus concidadãos e ver aquilo que as estatísticas revelam, mas revelam mal: a vida estuporada, até ao fim dos seus dias, de muitos e muitos, em nome de experiências, ilusões e incompetências, para chegar aos dias de hoje e terem que ver servidos, no seu imaginário prato, mais do mesmo. Sem uma reforma do estado digna desse nome, sem uma melhoria de nada, sem nenhuma transformação estrutural. Apenas mais engano e propaganda, sem convicção sem ânimo. Quando cada vez mais leio os propagandistas do regime, os maiores e os menores, a culparem o país e os portugueses, essa turba de amantes do 'estado' que não querem reformas, que não se deixam governar, que são medíocres e … piegas, eu percebo muito bem que para eles soa já ao fim. Eles são bons, o país não os merece. E é verdade, o país não os merece. Merece muito melhor" (JPP)
Conspiração & intriga de vão de escada, dentro...

("Expresso")

... e fora do quartel-general