18 June 2021

Será possível existir um partido de direita que não seja exclusivamente constituido por esterco neo-facho neo-beto? (via DT)
A senhora da limpeza já foi despedida
O caprino até poderia nem ir a conduzir mas é inegável que tudo aquilo de que se aproxima corre (muito) mal

"A santa resiliência: (...) Basta ouvir os nossos políticos para perceber que a resiliência se tornou uma ideologia: a ideologia do sofrimento e da infelicidade que salvam e purificam. O resistente estava disposto a quebrar; o resiliente é maleável, adapta-se a tudo, não tenta alterar nenhuma ordem, mas, pura e simplesmente, fazer o jogo da ordem presente para daí retirar ganhos. A táctica da resiliência é o consentimento. Por cada crise, infortúnio ou catástrofe, os arautos da resiliência prometem que 'vamos sair daqui ainda mais fortes'. Toda a felicidade é conseguida à custa da infelicidade, e é sempre a destruição que é uma fonte da reconstrução. Aliás, o pressuposto da resiliência, essa terapia inventada nos gabinetes clínicos da aliança económico-política, é que a infelicidade é um mérito e a destruição uma bênção. Uma coisa que tem o nome de 'Plano de Recuperação e Resiliência' poderia ser uma prescrição médica seguida numa associação de alcoólicos anónimos. Tudo neste jargão político tresanda de vício e de uma execrável ideologia" (AG; leitura complementar aqui)
É uma afinidade muito especial

17 June 2021

16 June 2021

VINTAGE (DLXXIX) 

Microdisney - The Clock Comes Down The Stairs

(álbum integral aqui)

(sequência daqui) Invisible Music - Folk Songs That Influenced Angela Carter, em conjunto com uma série de 10 curtos vídeos que complementam a audição do disco, é a consequência prática da tese de doutoramento de Paulusma (professora em Cambridge e autora de sete álbuns) no decorrer da qual descobriu gravações inéditas da Angela Carter cantora e executante de concertina, listas extensas de canções folk que ela arquivara, e identificou tópicos e passagens de textos da obra de Carter literalmente extraídos da música tradicional britânica. “Parecia-me uma loucura mas estava certa de que ouvia ritmos da canção folk nas escolhas prosódicas dela. Foi a cantora em mim que reconheceu outra cantora. A influência da folk, derrama-se de facto, sobre toda a sua obra”. Acompanhada por Jed Bevington (violino), Jack Harris (guitarra) e John Parker (contrabaixo), em 9 fantásticas e sangrentas canções de força e engenho femininos e 10 leituras intercaladas de textos de Carter (por Polly, Kirsty Logan e Kathryn Williams), Paulusma aplica-se a tornar visível o invisível.
 
Polly Paulusma - Invisible Music: Ten Short Videos (II)
A alta política é outra loiça (II)
 

14 June 2021

"Ainda não está totalmente concluído" é um eufemismo aldrabão para dizer que continua um estaleiro infrequentável (é só passar por lá); mas, com as autárquicas à porta e a assombração da denúncia de activistas russos (e outros) * a pairar, vale literalmente tudo!

"Ainda não está totalmente concluído, mas (...), para a Câmara Municipal de Lisboa, o que está feito é suficiente para o presidente Fernando Medina inaugurar o designado Parque Ribeiro Telles"

* Edit (14:22) - ... Aaaah!... pronto, não passam de "processos administrativos"...

Edit (15:19) - Mas que teimosia... o senhor embaixador já explicou tudinho!

Edit (18:46) - Não se terá tratado "de uma prática de colaboração da Câmara de Lisboa na identificação e perseguição de activista russos, (...) como se a Câmara fosse um centro de espionagem do senhor Putin na perseguição dos seus opositores" mas foi uma coisa muito parecida

TORNAR VISÍVEL O INVISÍVEL

Não é um segredo fechado a sete chaves. Mas, sempre que o nome da escritora britânica Angela Carter vem à baila, não é habitual que, por entre as referências biográficas – uma das mais importantes autoras do século XX, feminista, romancista criadora de um poderoso realismo mágico, que viu um dos seus contos, The Company Of Wolves, adaptado ao cinema por Neil Jordan –, seja mencionado que, enquanto jovem, se dedicou por inteiro à folk: com o primeiro marido, Paul Carter (cantor e "field-recorder" para a lendária Topic Records), no início da década de 60, participou em expedições de gravação pelo Sussex e pela Irlanda, tendo sido também responsáveis, pelas noites-folk do Lansdown Club, em Bristol. Tudo isso não apenas alimentaria o estudo que, na universidade, realizaria sobre os textos da canção folk como, garante agora a "singer-songwriter" e académica Polly Paulusma, constituia uma “música invisível” que atravessa toda a sua obra e, em boa medida, lhe determinou o estilo e a substância. (daqui; segue para aqui)