21 July 2017

Vai lá snifar Zyklon B, vai, pá...
Public Service Broadcasting - "London Can Take It"

"Um candidato do PSD e do CDS a uma autarquia, de seu nome André Ventura, resolveu dizer que há um grupo que 'em termos de composição de rendimento vive exclusivamente de subsídios do Estado' e que se sente com uma 'enorme impunidade', não tendo interiorizado 'o Estado de Direito'. Veio entretanto procurar corrigir-se e dizer, no fundo, que não acredita em bruxas, mas que elas existem. Em abstracto, passe algum exagero, até tendo a concordar com estas declarações. Cruzo-me, especialmente ao almoço em alguns restaurantes de Lisboa ou até em alguns convívios supostamente irrepreensíveis, com pessoas que quase posso jurar que vivem ou viveram em boa parte de exaurir selectivamente o Estado ou, de formas mais ou menos mediatas, até os contribuintes, portugueses e estrangeiros, e cujo sentimento de impunidade é notório – e porque não o seria? Sobre o seu interior e o conceito de Estado de Direito prefiro não me pronunciar" (aqui)

18 July 2017

... e tendo acabado de conhecer o reverendo Jack Van Impe, foi grande a surpresa de descobrir nele um gigante da ciência - vencedor do prémio Ig Nobel da Astrofísica de 2001 "for the discovery that black holes fulfill all the technical requirements to be the location of Hell" - à altura de um Leo Allatius

ASSALTO TOTAL 


A 23 de Julho de 1967, a “Motor City” explodiu. Quatro anos antes, os 125 000 manifestantes da Walk To Freedom March haviam desfilado pacificamente pela Woodward Avenue, na qual Martin Luther King ensaiaria o discurso “I Have a Dream” que, semanas depois, iria proferir em Washington D.C.. Mas, quando, às primeiras horas daquele domingo de Julho de há 50 anos, a polícia realizou um brutal raide a um clube na esquina da 12th Street – hoje, o Rosa Parks Boulevard – onde se celebrava o regresso do Vietname de dois GI negros, durante cinco dias, Detroit entrou em estado de guerra. Balanço final: 43 mortos, 1 189 feridos, 7 200 detenções, e mais de 2 000 edifícios destruídos. Vindo de Flint, John Sinclair tinha chegado a Detroit em 1964. Na universidade, lera os evangelhos segundo Ginsberg, Ferlinghetti, Corso e Kerouac, salmodiara ao som de Coltrane e descobrira o santíssimo sacramento da cannabis sativa.



Não tardou muito até que Sinclair (que, entretanto, escrevia para revistas de jazz, publicara três livros de poesia - This is Our Music, Fire Music: A Record e Meditations: A Suite for John Coltrane - e conhecera Ginsberg e Ed Sanders, dos Fugs), com vários outros "agents provocateurs" locais, tivesse criado a Artists’ Workshop dedicada à insubmissão perante a “square culture” dominante. Inalando profundamente o ar do tempo, a Workshop daria origem à comuna Trans-Love Energies que tanto acolheria os MC5 (brigada de agitadores sonoros "garage-proto-punk" mas amantes de Albert Ayler, Archie Shepp, Sun Ra e Coltrane) como, em 1968, serviria de incubadora para o White Panther Party. Fundado, segundo a lenda, por instigação do Black Panther, Huey P. Newton, o programa mínimo era esclarecedor: "a total assault on the culture by any means necessary, including rock and roll, dope, and fucking in the streets". Irmãos de armas (ainda mais) pedrados dos Yippies de Jerry Rubin, Abbie Hoffman e Phil Ochs, iria ser por aí mesmo que o FBI lançaria o ataque, prendendo Sinclair, apanhado na posse de dois cigarros “aromáticos”, pelo que, em 1969, seria condenado a dez anos de prisão. Libertado em 1971, após uma incansável campanha a que John Lennon se associaria, Sinclair, na sequência da desintegração dos White Panthers, gravaria quase três dezenas de álbuns de "spoken-word". Beatnik Youth Ambient (produzido por Martin Glover/Youth) é o último e belíssimo estojo para a voz de "grizzly" de John Sinclair, sobre fundo de jazz e electrónica mutantes, invocar a memória dos seus heróis literários e musicais.

Edit: Escutar o reverendo Jack Van Impe pregando contra o rock & roll e a contracultura, em 1969, referindo-se aos MC5, John Sinclair e ao White Panther Party (sugerido na caixa de comentários)

Chrysta Bell (IX)