03 December 2020

MÚSICA 2020 - INTERNACIONAL (I)
 
(iniciando-se, de baixo para cima *, de um total de 36)
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* a ordem é razoavelmente arbitrária...
Ansiosamente à espera do caso "Vacinas de Tancos"
Language is a virus
 
... e ainda: "dar nota de...", "um conjunto de..." (em particular, na arrepiante "foram criadas um conjunto de medidas"), os "pilares" e a "robustez"
The British Masters Season - Shirley Collins

(ver aqui)

02 December 2020

Bom católico, sempre em defesa da "família tradicional” e ferozmente anti-LGBT, József Szájer - pistoleiro ao serviço de Viktor Orbán -, embora leigo, segue à risca a regra da Vaticano S.A. que Frédéric Martel enunciou: "quanto mais homofóbico é um prelado, mais hipóteses existem de ser homossexual"

  "Das políticas anti-LGBT à orgia na Bélgica. Quem é József Szájer, o eurodeputado que contrariou aquilo que sempre defendeu"

 
Pirilaus gigantes aparecem e desaparecem na Alemanha, monolitos kubrickianos idem, na Roménia e no Utah (mas este pode ter sido só um "update" do Livro de Mormon)... é a conspiração mundial esquerdosa-satânica-pedófila a enviar sinais!!!...
 

01 December 2020

O PCP é para machos brancos 
e pouco proletas
 

Comissão Política do Comité Central: 24 elementos; 7 operários; 21 homens; 3 mulheres; nenhum afro-descendente ou de qualquer outra minoria étnica;
 
Secretariado do Comité Central: 10 elementos; 3 operários; 8 homens; 2 mulheres; nenhum afro-descendente ou de qualquer outra minoria étnica;
 
Comissão Central de Controlo: 9 elementos: 7 homens; 2 mulheres; nenhum afro-descendente ou de qualquer outra minoria étnica.

"What is your view on the BBC decision on censorship of certain words in 'Fairytale of New York' this Christmas?


(...) The idea that a word, or a line, in a song can simply be changed for another and not do it significant damage is a notion that can only be upheld by those that know nothing about the fragile nature of songwriting. The changing of the word ‘faggot’ for the nonsense word ‘haggard’ destroys the song by deflating it right at its essential and most reckless moment, stripping it of its value. It becomes a song that has been tampered with, compromised, tamed, and neutered and can no longer be called a great song. It is a song that has lost its truth, its honour and integrity — a song that has knelt down and allowed the BBC to do its grim and sticky business (...) The BBC, that gatekeeper of our brittle sensibilities, forever acting in our best interests, continue to mutilate an artefact of immense cultural value and in doing so takes something from us this Christmas, impossible to measure or replace. On and on it goes, and we are all the less for it" (Nick Cave aqui)

 


... primeira tentativa há 13 anos...

DE BEM VIVA VOZ

 

Após 38 anos sem gravar um disco, a primeiríssima dama da folk britânica, Shirley Collins, regressou, inesperadamente, em 2016, com o belíssimo Lodestar. A disfonia que a afectara aparentemente vencida, reincide, agora, com Heart’s Ease, outra pérola do reportório folk que, aos 85 anos nos oferece, não demasiadamente desconfortável com o confinamento (“Desde há muito que vivo sozinha, já estou habituada”) mas tremendamente furiosa com o rumo que o Reino Unido tomou: “Boris Johnson, que homem horrível! Como é que a Inglaterra pode ter chegado a este ponto! Eu sou europeia!...” 

    Em Electric Eden, Rob Young cita-a: “Sempre soube que esta música tinha nascido em mim. Sabia como cantá-la e nunca me iria afastar daí”. Foi, de facto, assim? 

Durante a 2º guerra mundial, era eu ainda criança, vivíamos em Hastings, na costa Sul de Inglaterra. Havia, frequentemente, raides aéreos e tínhamos de correr a refugiar-nos em abrigos onde os meus avós cantavam para mim e para a minha irmã, Dolly. Só mais tarde percebi que o que nos cantavam eram canções folk, música tradicional. Canções que eles, naturalmente, cantavam e que faziam parte da vida diária. Creio que começou tudo aí: adorava os meus avós, sentia-me segura junto deles, muito cedo essas músicas entraram em mim e nunca mais sairam. 

    No início do folk revival, havia aquela atitude militante de recolha e preservação da “música do povo”, levada extremamente a sério por gente como Alan Lomax (com quem viajou aos EUA numa expedição de recolha) ou Ewan MacColl... Como lidava com isso? 

Até certo ponto, compreendo-a uma vez que se trata de algo importante que deve ser preservado. Mas é uma forma um bocado agressiva de lidar com a música. Prefiro que as pessoas se sintam livres para fazer o que gostam sem necessitarem de regras estabelecidas por outros. O Ewan MacColl foi o pior de todos nessa atitude de ditar aquilo que podia e não podia ser cantado.* Não gostava nada dele, por isso também não liguei muito ao que dizia. Pareceu-me sempre um bocado falso, não era genuíno. Já o Alan Lomax era diferente, tinha consciência da importância de salvar do esquecimento a música tradicional de todos os países e do orgulho que as pessoas deveriam sentir na sua herança musical.

  

    Mas essas tradições musicais estavam, realmente, moribundas e necessitavam de ser preservadas?  

Era necessário mantê-las vivas porque estavam a ser exterminadas pela grande máquina da indústria musical que nos atira a mesma música para cima, seja qual for o lugar do mundo onde nos encontremos. Claro que também produz música óptima mas, no seu caminho, esmaga tudo, nada resta das músicas originais que fazem parte da História e das tradições dos povos. É terrível mas não tenciono deixar de lutar. 

    Na viagem aos EUA, com Alan Lomax, sentiu-se um pouco como um Colombo “ao contrário”, indo descobrir na América aquilo que já conhecia em Inglaterra? 

(risos) Sim, sobretudo nas montanhas Apalaches e Ozark, no Kentucky e no Arkansas, onde encontrámos canções originalmente inglesas, irlandesas e escocesas. Era fascinante escutar, em versão americana, canções que eu conhecia das colecções do Cecil Sharp. Evidentemente, ao longo dos anos tinham-se transformado gradualmente. E pude cantar algumas das versões que conhecia que as pessoas de lá receberam com a alegria de constatarem que, como diziam, “back in the old country”, ainda eram conhecidas. 

    Aos seus olhos, Fairport Convention, Steeleye Span, Pentangle, foram bem-vindos? 

Foi fantástico, de um modo geral, foi muito bom. A música era muito bem tocada, eram todos músicos que conheciam bem aquilo com que estavam a lidar, não era uma moda de que, mais tarde, se iriam arrepender. Acreditavam no que estavam a fazer. Era claro que, por exemplo, os álbuns de "morris dances", nunca iriam ser populares. Mas era uma questão de manter viva aquela música, de uma forma fresca e que não a rebaixava nem insultava.


  Como foi a experiência de, com a sua irmã Dolly, colaborar com David Munrow e o Early Music Consort em Anthems In Eden (1969) e Love, Death And The Lady (1970)? 

Devem ter sido os momentos mais emocionantes da minha vida musical! Para além de, como já lhe contei, os meus avós nos ensinarem canções tradicionais, o meu tio Fred fazia-nos ouvir muitos discos de Monteverdi. Aprendi, assim, a adorar também a música antiga. Conheci o David Munrow em Londres, com a Dolly. Fomos ter com ele ao Early Music Center porque adorávamos o trabalho dele, cheio de vida e energia. Passado algum tempo, surgiu a possibilidade de gravarmos Anthems In Eden e o David aceitou interpretar os arranjos da Dolly com o Early Music Consort. Ele era imensamente entusiástico, estar ao pé dele era como estar ligado a uma central eléctrica. Não duvidava que esta música deveria ser tocada e interpretada de uma forma rigorosa. Mas era tão gentil, o género de pessoa com quem nos apetece estar sempre... Eu não lia música (e continuo a não ler), o que, ao entrar para estúdio, me deixou um bocado nervosa. A Dolly tinha partituras para todos e, quando ele me disse que a minha entrada era no sexto compasso, tive de lhe confessar que não lia música. Respondeu-me: “Não há problema. Durante muito tempo, eu também não li música e, quando andei pela América Central, fui apanhando tudo de ouvido!” Era um músico extraordinário e foi o grande responsável da redescoberta e do interesse pela música antiga. A verdade é que tenho tido muita sorte com todos os extraordinários músicos com que me fui cruzando. 

    Também teve sorte por ter conseguido recuperar a voz... 

É verdade. O David Tibet, dos Current 93, veio visitar-me durante o período em que eu tinha deixado de cantar e disse-me que adorava os meus álbuns e que gostava que eu cantasse uma ou duas coisas num álbum dele. Ao fim de anos a tentar convencer-me, falou-me de um concerto que iria dar na Union Chapel de Londres e, depois de tanto tempo a dizer não, disse que sim!... E cantei mesmo. 

    Surpreendeu-se ao descobrir, em Shirley Inspired, que tinha tantos novos fãs como Lee Ranaldo, Meg Baird, Rozi Plain, Bonnie 'Prince' Billy?... 

Sim!...Foi uma grande surpresa ver aquela enorme variedade de músicos pegarem nas minhas canções. Não é uma questão de falsa modéstia mas tenho consciência que a música que faço se destina a um pequeno nicho. 

    Qual a sua opinião sobre gente recente como as Unthanks, Stick In The Wheel?..

Para ser sincera, as Unthanks fazem música lindíssima mas parecem-me demasiado repetitivas, prefiro um pouco mais de substância. E os Stick In The Wheel dão-me a sensação de estarem a cantar sempre a mesma música. Mas adoro os Lankum – a Radie Peat é uma cantora extraordinária! – e o Alasdair Roberts.;

    Tanto em Lodestar como em Heart’s Ease, o processo de selecção do reportório foi o que sempre utilizou? 

Sim, e não foi difícil encontrar as canções. Poderia gravar mais 20 álbuns se fosse necessário. O essencial é que os arranjos nunca se sobreponham â canção. Os músicos com que tenho trabalhado são perfeitos para mim, comprendem instantaneamente o que cada canção pede. São pessoas inteligentes, divertidas... e lêem livros! (risos) Já agora, tenho de dizer-lhe que a minha filha deu-me a conhecer a obra do José Saramago. Comecei por A Jangada de Pedra e, agora, estou a ler o Manual de Pintura e Caligrafia. É extraordinário!
 

* ver aqui e aqui

29 November 2020

Uma manta de retalhos de citações mascaradas de profundidades armadas ao pingarelho (a preferida: "O olé, quando é emoção profunda, sentida, abre-nos a Porta Grande do mistério, da Luz") para esconder algo inteiramente óbvio: a tourada é uma cruel manifestação de selvajaria que consiste na tortura pública de um animal até à morte
 
VINTAGE (DXL)

Dolly Parton - "9 To 5"

 
"1980: Relatable song about working a 9-5 job 
2020: Communist anthem" (dos comentários do YouTube)

27 November 2020

VINTAGE (DXXXIX)
 
Shirley & Dolly Collins - Anthems In Eden (c/ The Early Music Consort of London, dir. David Munrow)
(álbum integral aqui)