14 May 2017

"(...) O efeito vai do futebol para 'Fátima', porque a banalização de um fenómeno complexo, como é a fé de milhões, no contexto histórico da visita do Papa, é feito pelo mecanismo do espectáculo que o transforma em algo de semelhante a uma vitória desportiva. Com se verá, se for hoje, mesmo muito do vocabulário usado pelos locutores e jornalistas será substancialmente muito parecido. (...) A história concreta de Fátima no século XX, é a história da Igreja católica em Portugal, e diga-se a verdade, não é uma história muito dignificante. Foi a Igreja que mudou a “mensagem” inicial das aparições, muito ligada ao contexto da participação portuguesa na I Guerra Mundial, para o anticomunismo nos anos trinta sob o espectro da guerra civil espanhola. Foi a Igreja, na sua ligação íntima com o salazarismo, que envolveu Fátima (e por arrastamento Nossa Senhora) nos 'agradecimentos' a Salazar por ter colocado Portugal fora da II Guerra Mundial, e que, voltou nos anos cinquenta, já não apenas ao anticomunismo da mensagem da 'conversão da Rússia', mas na transformação do santuário no palco organizacional de grupos anticomunistas internacionais. (...) A ironia da história faz com que o Papa Francisco tenha sido recebido pela multidão com uma palavra de ordem simbólica do 25 de Abril, 'Francisco amigo, o povo está contigo' (...)" (JPP)

Nota 1) - I beg to differ: não prefiro o CEO da Vaticano S.A. ao Trampas; 
Nota 2) - A primeira página da edição "online" do "Público", neste momento, é a exacta representação da vitória final dos "três éfes"
Nota 3) - Já repararam como, no contexto global da encenação FFF, até o nome do xoninhas eurovisivo é perfeito: Salvador!

11 comments:

Beep Beep said...

As consequencias imediatas da Grandiosa Vitória da Música sem Artifícios:

1 - Um bando de chatos a falar a boca cheia em "Real Music", convencidos que se adapta perfeitamente ao seu gosto limitadíssimo

2 - Uma corrida ao "Próximo Salvador" das editoras, com 1000 gajos a quererem fazer "música despojada"

3 - Convites para actuacoes em festas concelhias a fartazana.

João Lisboa said...

Exactamente.

Táxi Pluvioso said...

Mais uma nemesis do Pacheco. Ele foi o único tipo que li, que percebeu o fenómeno Trump, em vez das baboseiras do costume (num artigo no Público ou no DN), mas aqui está a parvar, devia ter saído de casa, isto de ficar em casa a ver TV, faz ver coisas:

https://www.youtube.com/watch?v=UNPKGyYzPCo

Francamente, continuo ainda sem ver o conceito de cantigueta, quer dizer, se assumirmos que a maior parte do que fez o Bowie, são cantiguetas - e algumas absolutamente insuportáveis de ouvir - não vou citar nomes, cof, China Girl – então, fará algum sentido, é uma cantigueta.

Nunca pensei que o voto popular fosse para a canção portuguesa, o voto do júri era previsível, partindo do princípio que os elementos integrantes têm conhecimentos básicos de música, mas calculei que os putos, pela Europa fora, armados de telemóvel, votassem Bulgária.

Ana Cristina Leonardo said...

eu não sei se o Salvador Sobral vai ganhar o eurofestival da canção. mas sei que nós já ganhámos por ouvi-lo e por ouvir tão bela canção que a Luisa Sobral compôs. muito orgulho nos dois. lindos os dois. a alegria que eles tiverem é toda nossa também.
Valter Hugo Mãe

João Lisboa said...

:-))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

alexandra g. said...

Ana Cristina, Johnny Be Goode,

sois mais ou menos uns insurrectos, que isso de andar à boleia do Mãe para malhar no Salvador, enfim...

João Lisboa said...

:-)))

Ana Cristina Leonardo said...

alexandra g., eu concordo com a minha filha mais nova: aquilo é tudo um bocado atrofiado (já agora, ela descobriu semelhanças entre a expressão facial do Salvador e do Francisco). Dito isto, a malta cá em casa é bera. Qd a Maddie desapareceu estávamos todas à mesa (eu e + 3). Às tantas a mais nova, na altura talvez com com os 8, 9 anos, perguntou, a propósito da teoria de que a Maddie teria morrido acidentalmente por culpa dos pais: "Mas o que é que fizeram ao corpo da menina?" Sem levantar os olhos do prato, a do meio, a mais calada de todas, comentou: "Ora, os pais comeram-na!" Eu engasguei-me com a sopa. Por isso: Valter? Salvador? Quantos são? Quantos são? :))))))

João Lisboa said...

"Ora, os pais comeram-na!"

:-)))

... tinha andado a ler o Swift...

alexandra g. said...

prendinha para vós, Ana Cristina e Johnny Be Goode, que eu adoro é o riso :)

https://www.youtube.com/watch?v=i0U5mtdQ5xA

alexandra g. said...

Ah, também temos esta versão:

https://www.youtube.com/watch?v=kXHXqvpmsIY

:D