30 September 2016

Femibarbie - Deborah de Robertis


FEMIBARBIE , la Barbie émancipée que MATTEL ne pourra jamais créer. 

Déférée, le 19 septembre 2016 devant le Procureur de la République de PARIS, après avoir été placée en garde à vue pour une performance exécutée le 18 septembre 2016 au Musée des Arts Décoratifs de PARIS, dans le cadre d’une exposition consacrée à la poupée BARBIE.  

Cette exposition inédite, puisque c’est la première fois que Barbie faisait l’objet d’une véritable invitation dans un musée français, visait à redorer l'image poussiéreuse et démodée de ce produit manufacturé, auquel se sont identifiées de petites filles. "Barbie change parallèlement à l’évolution du rôle de la femme" peut-on lire dans le catalogue de présentation de l’exposition. "Avec Barbie, tu peux être tout ce que tu veux", annonce la nouvelle Barbie "émancipée" confectionnée par Mattel.

Cela m'a conduit à imaginer une performance visant à critiquer la démarche "marketing" du fabricant de cette poupée, qui n’hésite pas à utiliser un argument féministe pour faire évoluer les personnages de la célèbre poupée. Cette exposition coïncide avec un revirement marketing causé par la perte de vitesse de la compagnie Mattel. 

C’est ainsi que j'ai présenté, et incarné en chair et en os, Barbie vedette de l'exposition accompagnée de ses gardes du corps, Barbie écoute du rap et surgit dans l’exposition sans y avoir été conviée, s’affranchissant de la tutelle de son fabricant car la barbie émancipée se renouvelle sans Mattel. 

Portant une combinaison couleur chair laissant apparaître les seins et arborant un postiche sur la combinaison au niveau du sexe, la Barbie contemporaine assume ses tétons, ses poils pubiens et arbore fièrement une caméra GOPRO pour affirmer son point de vue. D’après la philosophe Geneviève Fraisse, critiquer les stéréoypes serait moins efficace que de créer de nouveaux modèles, alors allons-y ! 

En réincarnant Barbie à ma façon, je donne vie à un nouveau modèle et j'impose son point de vue et son esthétique. Barbie 2016 s’impose en pionnière, Barbie 2016 est une meneuse qui porte un regard sur elle-même et sur le monde et le réinvente avec et surtout sans Mattel. La performance consiste à distribuer une centaine de FEMIBARBIE'S, un nouveau modèle de poupées affranchies avec comme attributs des poils et une go-pro, concept - "Deborah De Robertis" - fabriquées en collaboration avec le plasticien Miguel Gonçalves.
Food For Thought (XLVII)

Foda-se, pá, quantas vezes é preciso dizer que são os valores cristãos, porra!...

29 September 2016


Je ne comparais pas - Deborah De Robertis


A l’attention de Madame ou Monsieur le Procureur,

J' ai choisi de ne pas me présenter à la convocation qui concerne une plainte pour exhibition sexuelle suite à la performance artistique que j'ai réalisée à la Maison Européenne de la photographie le 27 mars 2016.

Au delà du fait que je ne reconnais pas ma culpabilité, je ne comparais pas car il me semble que vous vous êtes trompé de destinataire. En effet la loi sur l’exhibition sexuelle ne s’applique pas à une œuvre d’art. Mon corps d’artiste et de femme ainsi que mon travail n’ont donc pas leur place dans un palais de justice.

Comparaitre serait faire semblant d’accepter de prendre cette place. Si je dois comparaitre, ce ne sera pas pour avoir réalisé une performance dans une institution artistique, ce sera pour avoir fait le geste symbolique de laisser cette place vide.

En tant qu’artiste, je prends le droit de faire le geste de sortir du cadre de L’Origine du Monde de Gustave Courbet; une fois de plus, c’est en tant qu’artiste que je fais le geste de soustraire mon corps du cadre dans lequel on voudrait le confiner aujourd’hui.

Je me suis demandée longuement comment répondre à cette convocation, j’y réponds par le vide afin que l’absence de mon corps fasse entendre la voix de toutes les femmes.

Comme preuve de mon innocence et pour valider mon propos, je peux vous faire parvenir l’œuvre sur laquelle porte l’accusation.

Très respectueusement,
Deborah De Robertis
Agora é que é dar-lhe gás!
Tom Waits - Rockpalast 1977

Tripalium: agora, o jogo
 

27 September 2016

DIABOLUS


Na Idade Média e início do Renascimento, a igreja condenava severamente a utilização, na música sacra, do modus lascivus – o modo grego jónico, aliás, a banal escala de Dó maior – que, por ser vulgar na música popular profana, era inevitavelmente associado a abomináveis comportamentos licenciosos e imorais. Também particularmente mal visto era o trítono – o intervalo de 4ª aumentada –, excomungado na qualidade de diabolus in musica. Uma severa tradição de crítica musical divinamente inspirada que, embora bastantes séculos depois, tornou quase previsível a imprecação contra o rock, de Joseph Ratzinger (futuro papa Bento XVI, então prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, sucessora directa do Tribunal da Santa Inquisição), em 2001, classificando-o como “expressão de paixões elementares que (...) assumiu carácter de culto, ou melhor de contra-culto que se opõe ao culto cristão” e acusando-o de “querer falsamente libertar o homem por um fenómeno de massa, perturbando os espíritos pelo ritmo, o barulho e os efeitos luminosos”

Dmitri Shostakovich: Symphony No.10 - Valery Gergiev dir. Orquestra do Teatro Mariinsky, 2013

Um pouco mais surpreendente (mas não demasiado) é que surgisse enquanto eco simétrico da feroz invectiva que, apenas meio século antes, Andrei Zhdanov, oficiante da igreja do realismo-socialista soviético, dirigira contra os compositores “formalistas” (Shostakovitch, Prokofiev, Khatchaturian...), apontados como responsáveis pelo pecado de “substituirem uma música natural e formosamente humana por uma música falsa, vulgar e com frequência, simplesmente patológica” através da qual “começamos a trespassar os limites do racional, a passar para lá do limite não só das emoções humanas, mas também da razão humana normal (...) Não é certo, não é justo que o som dos pratos e tambores deveria constituir a excepção e não a regra na composição musical? (...) Deixemos que esses criadores de música inacessível fiquem isolados das grandes massas do povo. Ninguém necessita da música incompreensível (...) Exijamos que os nossos compositores nos dêem música humana normal!” Em O Ruído do Tempo, de Julian Barnes (2016), a arrepiante história de génio e auto-humilhação de Dmitri Shostakovich perante a ditadura estética e política do estalinismo é uma tela sobre a qual se projectam as imagens de uma época em que para ser declarado “inimigo do povo” – e sofrer as terríveis consequências – bastava que o grande líder e supremo crítico, em dia não, declarasse que o que ouvira não era música mas “chinfrim”. O diabolus in musica continuava teimosamente vivo.
Experienced economist and not so experienced economist are walking down the road. They get across shit lying on the asphalt. Experienced economist: “If you eat it I’ll give you $20,000!” Not so experienced economist runs his optimization problem and figures out he’s better off eating it so he does and collects money. Continuing along the same road they almost step into yet another shit. Not so experienced economist: “Now, if YOU eat this shit I’ll give YOU $20,000.” After evaluating the proposal experienced economist eats shit getting the money. They go on. Not so experienced economist starts thinking: “Listen, we both have the same amount of money we had before, but we both ate shit. I don’t see us being better off.” Experienced economist: “Well, that’s true, but you overlooked the fact that we’ve been just involved in $40,000 of trade.”
La Nudité Une Arme Politique - Deborah de Robertis

25 September 2016

Balthazar - "Then What"

"Cocaína. Morfina. Penicilina. Colesterol. Álcool. Cicuta. É o que tem em mente quando pensa em produtos naturais? 

São todos naturais, no sentido em que são produzidos por seres vivos sem necessidade de intervenção humana. Frequentemente 'natural' define-se por oposição a 'químico', mas os produtos naturais também são necessariamente produtos químicos, cujos átomos se ligaram através de reacções químicas" (DM)
VINTAGE (CCCXVI)

The Divine Comedy - "Come Home Billy Bird"

24 September 2016

"Demoramos muito tempo em sair da aldeia, da vida controlado por todos, para agora aceitarmos que na 'aldeia global' o mesmo se possa fazer" (JPP)
Pois, mas, disso, o marçano serã tão culpado como os que o antecederam e lhe sucederão

23 September 2016

E, após a emergência da pujante área de estudos da tricologia política, prestemos, agora, atenção à novíssima ornitologia política
 
("DN")
Mas existe, sem dúvida, 
alguma ligação
Glass Harmonica 

Real. Andrei Khrzhanovsky; música: Alfred Schnittke)
A democracia nunca foi lá grande coisa mas há momentos em que, até para afirmar só isso, é preciso uma grande fé...

Subsídios para uma teoria da conspiração: nos últimos dois/três meses, o "PdC" é regularmente invadido por milhares de visitas oriundas - à vez - de diversas proveniências: Alemanha, China, EUA, França, Rússia, Ucrânia, Roménia... começo a desconfiar que os Illuminati (ou uma qualquer outra conspiração de ciber-porteiras) andam realmente de olho na blogocoisa...
 
Björk por Araki






22 September 2016


"Dans les articles sur ma démarche, il est surtout question de l'aspect scandaleux de celui-ci et trop peu de l'aspect performatif, expérimental ou humoristique de mes vidéos comme si il s'agissait d'un acte impulsif et uniquement militant sans recherche esthétique: En effet la vidéo issue de cette performance n'a rien de scandaleux et c'est avec légèreté et humour que je révèle les mécanismes de censure liés au regard porté sur la nudité féminine dans nos sociétés occidentales et présentes directement et indirectement dans nos institutions artistiques. 'De la fascination à la provocation: quatre œuvres jugées scandaleuses et vandalisées lors de précédentes expositions seront présentées pour questionner les limites de la censure. Montrer Serrano, c’est affirmer les valeurs qui nous fondent. Contre la barbarie et l’intolérance. Contre l’obscurantisme et l’inhumanité'. Tels sont les mots utilisés pour présenter l'exposition de Serrano intitulée 'Uncensored Photographs' aux Musées Royaux des Beaux-Arts de Belgique. J'ai choisie cette photo intitulée 'The Interpretation of Dreams (Triumph of the Flesh)' d'Andres Serrano pour deux raisons: La première, elle nous renvoie inévitablement au sexe de l' Origine du monde de Gustave Courbet; la seconde, cette photo - 'exposant le sexe féminin' - n'éta it pas présente à l'exposition. Si la nudité exposée par un artiste homme a le statut de représenter 'les valeurs qui nous fondent' qu'en est t-il de la nudité exposé par une artiste femme ? Où se situent 'les limites de la censure'? Pour les Musées Royaux des Beaux-Arts de Belgique, elles semblent se situer dans le point de vue incarné par le sexe féminin"
JANOTA


Tony Visconti, o produtor de 13 álbuns de David Bowie, conta à “Uncut” que, embora não de uma forma absolutamente inflexível, este levava muito a sério o princípio artístico de não promover em palco a obra passada. O mesmo se aplicava no que respeita à habitual estratégia de reedições sobrecarregadas de demos, faixas inéditas, outtakes: “David tinha uma opinião muito firme de que um álbum concluído era um álbum concluído”. E tudo o que, posteriormente, se lhe acrescentasse seria, invariavelmente, supérfluo. Inevitavelmente, ao longo de inúmeras republicações e mudanças de editora, isso seria muito poucas vezes respeitado. Por maioria de razão, após a sua morte em Janeiro passado, ninguém acreditaria que a Parlophone fosse capaz de travar o impulso para, de acordo com a máxima “the best rock star is a dead rock star” (traduzida por Tom Waits para “o que o show-business tem de mais bonito é que é a única actividade em que se pode ter uma carreira depois de morrer”), tirar o máximo partido do catálogo de Bowie. Não travou.  



Who Can I Be Now? (1974-1976), "box-set" incluindo Diamond Dogs, Young Americans, Station To Station (original e com remistura de 2010), David Live (original e com remistura de 2005), Live @ Nassau Coliseum 1976 e Re:Call 2 (colectânea de versões em single e lados B), centra o grande alarido promocional no suposto facto de conter também “um disco nunca antes editado”, The Gouster. A multidão de fãs ouve falar em "lost album" e, pavlovianamente, saliva. Mas só até se dar conta de que, afinal, não é mais do que a primeira encarnação de Young Americans“os despojos esborrachados da música étnica tal como ela sobrevive na idade do Muzak rock, escrita e cantada por um britânico branco”, Bowie dixit -, antes de ter legado quatro das sete faixas à versão definitiva, havendo, entretanto, as restantes sido integradas, mais tarde, em diversas reedições e compilações.



Vale a pena, porém, conhecer a história do título: em plena “fase americana”, Bowie precisava de uma nova personagem que desse corpo ao que ficaria conhecido como "plastic soul" (para a edificação da qual recrutou os músicos Carlos Alomar, Luther Vandross e Andy Newmark, baterista de Sly and the Family Stone). Descobriu-a no guarda-roupa do trompetista de jazz, Don Cherry (pai de Ava Cherry, namorada da altura e corista da banda), inspirado no estilo "gouster"/janota dos "gangsters old-school" – calças largas, suspensórios e gravata – que uma canção ("The Gouster", 1964) do grupo vocal negro de Chicago, The Five-Du Tones, consagraria. Recorda, agora, Ava Cherry que, no final da digressão durante a qual Bowie vestiu um dos fatos de Don, quando ela lhe pediu que o devolvesse, ele se recusou a fazê-lo: “Nem pensar, isto sou eu!”
A "silly season" pc global avança, imparável (ou mais uma razão por que devemos continuar a "ser Charlie")

21 September 2016

Não esquecer que o presidente da Federação da Área Urbana de Lisboa do PS - organizadora da mui louvável iniciativa para a reinserção social de ex-reclusos - é o justamente famoso "Mr Double L", reputado especialista em política "hardcore"

"Je me suis faite arrêter pour une performance au Van Gogh Muséum dans le cadre de l’exposition Easy Virtue. Cette exposition est organisée en collaboration avec le musée d’Orsay et a été montrée d’abord à Paris sous le titre Splendeurs et misères. Images de la prostitution, 1850-1910. Suite à ma performance Olympia je décide de donner un 'troisième coup' en poursuivant Orsay jusqu'a Amsterdam. Je réinterprète le 'teaser' réalisé par le musée Van Gogh car dans leur volonté de renvoyer une image de femme émancipée ils ne font finalement que reproduire des stéréotypes en effet rien de contemporain dans le regard qu’ils portent sur les femmes. Vu la grande similitude de leur 'teaser' avec le concept de mon travail qui fait revivre les modèles je me suis sentie concernée et j’ai décidé de leur proposer un version moins poussiéreuse que leur 'teaser'. Je fais sortir Gallien’s Girl du tableau, elle prend place devant le lit de prostituée exposé en plein musée. Sur le lit, la musique démarre : 'Fuck My Money', c’est une reprise de la musique du 'teaser' de l’exposition Easy Virtue en version rap. La performance commence. Dans un geste viril et provocateur, je balance des faux billets d‘euros tout autour de moi. Ce geste dit: 'Les putes c’est vous'. Par ce geste je renverse le rapport entre la prostituée et son client et je critique le modèle du marché de l’art"
Saúda-se vivamente a multiplicação de iniciativas destinadas a promover a reinserção social de ex-reclusos!
(O 6º ANO A SEGUIR AO) ANO DO TIGRE (CXXIII)


Estás feito, Pedrocas: o segundo volume da obra irá ser totalmente dedicado à detalhada descrição das tuas noites tórridas com a Nina, a Cuki e as outras malucas...

20 September 2016

A OBRA DE ARTE COMPLETA

Brooker/Bowie

“David Bowie é um mosaico. Uma obra de arte e uma obra de vida criadas por David Robert Jones durante um período de 50 anos. Ele é, talvez, a maior obra de arte dos séculos XX e XXI. O artista, David Jones, já não está entre nós mas a sua criação ‘David Bowie’, permanece”. A afirmação é de Will Brooker, escritor e professor de Film and Cultural Studies na Kingston University de Londres, um dos cerca de 30 académicos de múltiplas origens (Reino Unido, Irlanda, Itália, Canadá, Bélgica, Portugal, Finlândia, Espanha, Turquia, EUA, Austrália, Brasil, Alemanha, Nova Zelândia, França) convidados a participar na conferência “David Bowie: Interart/Text/Media” organizada pelo Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa, entre os próximos dias 22 e 24.


Pode, sem exagero, dizer-se que Brooker conhece aquilo de que fala, literalmente, por dentro e por fora: durante um ano – concluído em Junho último – dedicou-se a encarnar, cronologicamente, as diversas personae de Bowie, adoptando os seus hábitos alimentares, vestindo-se e maquilhando-se como ele, visitando os lugares por onde ele passou e lendo as mesmas obras que ele leu. “Foi uma experiência inspiradora e transformativa mas também, por vezes, difícil e emocionalmente esgotante. Creio que me proporcionou uma perspectiva única e um entendimento de Bowie verdadeiramente diferentes”. Todo o processo ficou documentado num filme, Being Bowie, que será estreado na conferência, e num livro (Forever Stardust: David Bowie Across The Universe), a sair no início do próximo ano. E isso terá contribuído para a convicção de que, por trás da sucessão de personagens, nunca existiu realmente um "storyboard" oculto: “Observando retrospectivamente, podemos supor que havia uma narrativa. Mas, ao mesmo tempo, penso que Bowie, ao transitar de uma para outra persona, apenas fazia aquilo que lhe parecia necessário. É preciso não esquecer que as personae mais celebradas ocuparam um curto período da sua vida e carreira: Ziggy Stardust, Aladdin Sane e o Thin White Duke só nos levam de 1972 a 1976. Podemos ver o ‘Bowie de Berlim’ como uma persona, ou os anos 80 como outro tipo de máscara ou performance. Mas nunca foram assim nomeados por ele. Major Tom e Halloween Jack, por outro lado, são apenas personagens de canções, coisa completamente diferente da imersão total em Ziggy Stardust. Mesmo Aladdin Sane é pouco mais do que um nome e uma evolução a partir de Ziggy. Podemos encontrar-lhe um sentido: uma superação urgente e aceleração (Ziggy), um observador cínico e exausto da vida das celebridades na América (Aladdin Sane), um frio curioso pelo fascismo e pelo oculto alimentado a cocaína e paranóia (Duke) e a fuga para um estilo de vida mais estável de recuperação física e artística em Berlim. Visto assim, é uma história, Mas, retrospectivamente, a vida da maioria das pessoas também parece ser uma história”.


Não heveria, no entanto, um Bowie essencial, presente em todas essas figuras e manipulando-as? “’Bowie’ foi, evidentemente, a criação mais duradoura de David Jones. Havia, certamente, um David Jones essencial por trás de todas – por vezes, deliberadamente marginalizado, outras vezes, mais central –, embora eu pense que, em determinados pontos dos anos 70, ele se perdeu. Todas reunidas, as diferentes identidades e performances constituem o mosaico que é ‘David Bowie’ enquanto obra de arte completa”. E, segundo Will Brooker, essa proliferação de heterónimos, corporização exuberante do ”Je est un autre”, de Rimbaud, nem sequer se poderá explicar como tentativa de contruir uma narrativa através de um "cut-up" biográfico: “Um cut-up pressupõe uma peça acabada que é, depois, fragmentada e reescrita. As várias fases e identidades foram influenciadas pela cultura e os diversos contextos em torno dele e pelo que ia experimentando”.


Em 1993, por altura de Black Tie White Noise, Bowie confessara-me que, desde 1976, tinha posto fim à ao processo de reinvenção. Daí em diante, tudo não fora mais do que uma “escolha de guarda-roupa diferente”. Brooker não vê nisso mais do que uma das suas frequentes provocações ainda que contendo alguma verdade: “Não me parece que ele se limitasse a trocar de guarda-roupa nos anos 80, quando se reinventou como superstar global para a geração-MTV. Penso que procurava uma nova forma de operar num novo mercado de massas mais conservador e, nesse momento, não estava a ‘ser ele próprio’. O período de Let's Dance/Tonight/Never Let Me Down, de certa forma também implicou a criação de uma outra personagem de homem de negócios, homem do povo, um tipo ‘normal’. Ele tinha uma enorme atracção por 'outsiders', por cultura, arte e personagens marginais, experiências extremas, tendências obscuras e grupos minoritários, houve sempre uma sensação de quebrar fronteiras durante toda a sua carreira. Houve momentos em que vacilou, quando pretendeu ser mais mainstream e popular. Mas a periferia fascinava-o genuinamente. Era, sobretudo, curioso, sempre à procura do novo: aborrecia-se com facilidade, era frequentemente impaciente, infinitamente interessado em fazer descobertas”.

"'Dès que je suis sorti du ventre de ma mère, je me suis retourné pour photographier son vagin?', affirme Araki. Que se passerait-il si l'on inversait le point de vue ? Si le creux du vagin devenait l'objectif? Dans le prolongement direct de ma performance au Musée d’Orsay sur l’Olympia de Manet, dont le regard frontal avait scandalisé, je réalise là un nouveau contre-pied en donnant une voix aux modèles de l’artiste. Et si le modèle sortait de son mutisme pour briser ce silence muséal et nous jouir en pleine face ? J’ai choisi de réinterpréter 'paysage avec couleur' de Nobuyoshi Araki, photo qui représente une femme tenant à sa bouche un morceau de pastèque faisant allusion à une fellation. Il y a une dimension viscérale dans la photo que j’ai choisie, comme si le modèle se délectait de son intestin, surprise dans sa chambre et heureuse d’être surprise dans sa monstruosité. Dans ma réinterprétation de l’œuvre la pastèque évoque le sexe féminin, mon sexe que je fais juter et que je dévore jusqu'à l’extase en filmant le spectateur. J’ai intitulé ma reproduction 'paysage avec go – pro' pour signifier l’importance du regard du modèle. Dans ma performance le dispositif est inversé, ici c’est le modèle qui surprend le voyeur et enregistre son visage et non l’inverse. 'Ni soumission, ni extase', lit-on dans le catalogue de l'exposition pour décrire le regard des modèles du photographe, comme si il y avait dans leur yeux une absence de regard sur le monde, sur nous. L’interprétation suggère que ce qui aurait scandalisé dans l’Olympia de Manet est la nudité alors que c’est son regard, celui qui nous met nous spectateur en position de servants. Pour Araki, l’acte de photographier est semblable à l’acte sexuel et de mon point de vue c’est le modèle qui baise le photographe"
Nme - "Pikachu - Game Over"

VINTAGE (CCCXV)

Bongwater - "Power of Pussy"

19 September 2016

Julian Barnes: The Full BBC Interview (O Ruído do Tempo)

SENTIMENTOS


Em 2003, por ocasião da publicação de Nocturama, confortavelmente instalado numa suite de um hotel londrino, Nick Cave dizia-me: ”Já não chafurdo tanto no sofrimento e na abominação, procuro sair disso através de alguma forma de redenção. É um pouco aquela ideia de Oscar Wilde de estarmos com os pés na sarjeta mas com os olhos nas estrelas. Dantes, eu estava com os pés na sarjeta e a olhar para a sarjeta”. E, perante a interrogação de se isso significava ser mais feliz, atalhou: “Não sei o que é a felicidade. A felicidade é um sentimento e, para mim, tentar compreender o que é a felicidade é como procurar apanhar um rato morto numa cave. Parece-me que os sentimentos estão muito sobrevalorizados e preocupamo-nos demais com a forma como nos sentimos. O que eu faço é trabalhar. Levanto-me de manhã e não examino os meus sentimentos. Sento-me ao piano e escrevo. Os sentimentos são um conceito do final do século XX. E suspeito que, à medida que o século XXI for avançando, os sentimentos irão ter muito pouco a ver com tudo. Os sentimentos são um luxo dos ociosos. Eu trabalho”

Em One More Time With Feeling, documentário de Andrew Dominik em torno da gravação de Skeleton Tree, a começar pelo próprio título, há sentimentos, só sentimentos e nada mais do que sentimentos. Dificilmente poderia ser de outra forma uma vez que todo o processo de filmagem ocorreu pouco depois da morte de Arthur Cave, filho adolescente de Nick e Susie Bick, em Julho do ano passado, consequência da queda de uma escarpa, em Brighton, após ingestão de LSD. E é isso – nunca explicitamente nomeado durante todo o filme mas apenas referido como “the event” – que paira como uma assombração e atribui um acréscimo de sentido às imagens e à música, mesmo que grande parte desta estivesse já escrita antes do desaparecimento de Arthur. A grande questão, contudo, é saber se esse acréscimo é ou não um factor positivo para a economia de um filme que, aqui e ali, parece menos um documentário – registo de acontecimentos, declarações, testemunhos – do que algo razoavelmente encenado: o Nick Cave que se olha ao espelho e, surpreendido, repara nas olheiras que não tinha antes, foi apanhado assim, sem preparação? A exibição que Susie faz do quadro em que Arthur desenhou o local onde viria a morrer foi uma ideia surgida no momento?...

Não seria, naturalmente, uma heresia a criação de um documentário “híbrido”. O quase videoclip de "Distant Sky" (única sequência a cores) até não provocaria atrito, não se tratasse de um instante de intenso "kitsch", culminando num "zoom out" cósmico sobre o planeta enquanto a voz canta “Let us go now, my only companion, set out for the distant skies, soon the children will be rising” – coisa bem diversa do muito mais sóbrio "Jesus Alone", com o diálogo de imagens entre Cave, ao piano, e a secção de cordas (que Warren Ellis dirige como quem comanda a energia das marés), no qual Dominik abdica dos constantes movimentos circulares da câmara de que, noutras ocasiões, abusa. Exactamente o mesmo desequilíbrio que acontece entre a forma enxuta como Nick Cave afasta todo o tipo de baixo sentimentalismo para evocar a terrível perda e a desnecessária demagogia fácil de incluir no genérico final "Deep Water", uma canção de Cave e Marianne Faithfull, cantada por Arthur e pelo gémeo Earl.

Food For Thought (XLVI)

O insuportável fedor da latrina

(em total sintonia com as "universidades" da concorrência: I, II e III)


16 September 2016

Eis a carinha linda do bravíssimo moço que, rendido perante a obra-prima do chefe (finalmente, o Nobel será seu!...), sem pedir autorização ao chefe, não hesitou em escrever no jornal do chefe quão sublime era a pena do chefe!

Portugal numa casca de noz (XLII)

Afinal, são 5 metros... mas não há sanções 
 (o modelo inspirador aqui)
Parece que sou bruxo


"Saraiva parece revelar uma obsessão com pormenores da vida íntima e conta histórias que lhe contaram não só envolvendo as personalidades em causa como também terceiras figuras" (o modelo inspirador aqui)
Há muito boas razões para pensar que o objectivo final do "politicamente correcto" é instituir a "silly season" global permanente
As "medicinas" alternativas somam sucessos o que deve encher de alegria a PUPK e aborrecer imenso os cépticos

15 September 2016

Florence Foster Jenkins - "Valse Caressante/Biassy"

(+ sobre a diva aqui, aqui e aqui)
Já andava roídinho de saudades do Che do cabelinho à foda-se


"Junto a" quer dizer o quê? 1 metro? 10 metros? 100 metros? (vai ser necessário equipar a bófia com fitas métricas... só gastos...) 

Oiçam-no que o homem 
Conheça um novo país, a Pérsian, e descubra como ele é totalmente diferente do Irão

"We need to talk about cultural appropriation: why Lionel Shriver's speech touched a nerve" (aqui; ler também aqui)

14 September 2016

O Chiquinho fofo admite que a Vaticano S.A. é obra do Demo  
(coisa de que o Daniel Defoe já suspeitava)


É obrigatório que a inauguração seja abrilhantada por um concerto das Pussy Riot


"The golden main dome of a new Russian Orthodox cathedral now under construction on the banks of the Seine shimmers in the sun, towering over a Paris neighborhood studded with government buildings and foreign embassies. (...) While tanks and artillery have been Russia’s weapons of choice to project its power into neighboring Ukraine and Georgia, Mr. Putin has also mobilized faith to expand the country’s reach and influence. A fervent foe of homosexuality and any attempt to put individual rights above those of family, community or nation, the Russian Orthodox Church helps project Russia as the natural ally of all those who pine for a more secure, illiberal world free from the tradition-crushing rush of globalization, multiculturalism and women’s and gay rights" (aqui)
É uma injustiça se o Marcelo das meiguices não lhes atribui também uma comendazinha... (até porque não estamos livres de o campeonato do mundo de pastéis de Belém ser ganho por uma equipa do Cazaquistão)

13 September 2016

ESTILHAÇOS 


Amadeus (1984), de Milos Forman – vertendo para o cinema a peça homónima de Peter Shaffer –, dificilmente poderia conter maior número de imprecisôes históricas e efabulações fantásticas acerca da biografia de Mozart. Mas isso não o impediu de se tornar no retrato eventualmente mais revelador do precoce génio musical de Viena (aliás, Praga, no filme), capaz, por exemplo, de nos fazer adivinhar que o autor do avassalador Requiem era exactamente o mesmo de peças tão desabridas como o canone “Leck Mich Im Arsch” (traduzindo, preventivamente, em inglês, “Lick My Ass”). Florence Foster Jenkins, de Stephen Frears, é, sem dúvida, infinitamente mais fiel à história real da celebrada “pior cantora que alguma vez pisou o palco do Carnegie Hall” do que Marguerite, de Xavier Giannoli, que, confessadamente, apenas “se inspirou” nela. E não somente isso: mudou-lhe o nome (subtraído a Margaret Dumont, uma partenaire dos irmãos Marx), a nacionalidade (de norte-americana para francesa) e convidou-a a recuar duas décadas (dos anos 40 para os 20 do século passado). Ao fazê-lo, porém, não se limitou a evitar a armadilha do "biopic": libertou um imenso espaço para a criação de uma personagem paralela, que, através de Marguerite Dumont, permite ver muito para além de Florence.


Se, na (brilhante) encarnação de Meryl Streep, ela é quase só uma extravagante, patética e tragicómica burguesa rica, espécie de avestruz ululante e "clown" involuntário da boa sociedade nova-iorquina, a baronesa Dumont, de Giannoli, ainda que não menos trágica, abre um portal sobre um outro universo no qual a Paris dos dadaístas, a encara enquanto porta-estandarte da profanação das soirées burguesas e protagonista de actos de provocação com a ‘Marselhesa’ em fundo, destinados, como diria Marcel Janco, a “chocar o bom senso, a opinião pública, as instituições, os museus, o bom gosto, em suma, toda a ordem vigente”. Mal ouviu uma gravação de Jenkins, Giannoli pensou imediatamente “que se tratava de uma performance artística, reflecti sobre o que era a arte e o absurdo. Fugir aos códigos aceites do que é belo não é uma forma de desconstrução, um estilhaço dadaísta? Será mais importante cantar com afinação perfeita ou investir totalmente no desejo (até no delírio) mesmo que se cante mal?” Há-de ser por esse motivo que nos recordaremos sempre do filme de Frears como uma história excêntrica muito bem contada mas Marguerite nos deixará a pensar no “rugido de cores tensas, o abraço de opostos, contradições, grotescos e inconsistências” de Tristan Tzara.
VINTAGE (CCCXIV)

The Five Du-Tones - "The Gouster"

 
Why David Bowie's Gouster look 
is perfect for the summer
Como é que um gajo pode acreditar em deus?... (ou, mesmo acreditando, achar que é um tipo porreiro?)

"God raised up Trump to be president"
Volta para a mercearia, ! (II)

Ainda vamos ver o Pedrocas a discretear sobre a pilosidade púbica dos grandes vultos da pátria

"Membership of a larger group is not an identity. Being Asian is not an identity. Being gay is not an identity. Being deaf, blind, or wheelchair-bound is not an identity, nor is being economically deprived. (...) If we embrace narrow group-based identities too fiercely, we cling to the very cages in which others would seek to trap us. We pigeonhole ourselves. We limit our own notion of who we are, and in presenting ourselves as one of a membership, a representative of our type, an ambassador of an amalgam, we ask not to be seen" (daqui; reler aqui)

09 September 2016

"The free and independent media have an important task in bringing information, even including pictures, which sometimes may be unpleasant, and which the ruling elite and maybe even ordinary citizens cannot bear to see or hear, but which might be important precisely for that reason. 'If liberty means anything at all, British George Orwell wrote in the preface to Animal Farm, 'it means the right to tell people what they do not want to hear'" (daqui via S+V)

(O 6º ANO A SEGUIR AO) ANO DO TIGRE (CXXII)

(daqui)

Philip Glass - The Photographer
É isto que faz deles uns homens! 
(dizem os Dauerling)

Diz o intelectual do Largo do Rato Mickey: "É preciso promover à escala europeia o reencontro entre o melhor do liberalismo e o melhor da social-democracia" - pensemos em grande: é preciso promover à escala europeia o reencontro entre o melhor do estalinismo e o melhor do nazismo, entre o melhor da Santa Inquisição e o melhor do KGB, entre o melhor das Brigadas Vermelhas e o melhor do Daesh!

08 September 2016

Food For Thought (XLV)

"What is the self? How does the activity of neurons give rise to the sense of being a conscious human being? Even this most ancient of philosophical problems, I believe, will yield to the methods of empirical science. It now seems increasingly likely that the self is not a holistic property of the entire brain; it arises from the activity of specific sets of interlinked brain circuits" (aqui)
Anna Meredith

(ouvir "Scrimshaw" e "R-Type", ao vivo, aqui)
STREET ART, GRAFFITI & ETC (CLXXIII)

Lisboa, Portugal, 2016

07 September 2016

"Em 1239, Luís IX, com a idade de 25 anos e rei desde há 13, adquiriu a coroa de espinhos que, durante a Paixão, Cristo usava. Colocada à venda pelo imperador bizantino Balduíno II de Courtenay, em busca de dinheiro para melhor defender o seu território, a relíquia foi cedida por 135 000 libras de Tours, o que representava mais de metade do rendimento anual do reino de França. Depois, em 1241, o rei comprou ao mesmo imperador dois lenhos da Santa Cruz, o Sangue Sagrado e uma pedra do Santo Sepulcro. No ano seguinte, ficou também na posse do ferro da lança com que o centurião Longino tinha trespassado o flanco de Jesus, da Santa Esponja que o carrasco oferecera a Cristo na sua agonia, e da cabeça de S. João Baptista. Em 1242, Luís IX é possuidor de 22 prestigiosas relíquias" (Didier Lett, "Le Monde/Histoire & Civilisation")

(mais uma) Nota a/c dos ministros das Finanças e Economia e, naturalmente, do primeiro-ministro - seria, sem dúvida, oportuno  procurar descobrir urgentemente um Luís IX contemporâneo através do qual o Estado  Português poderia (com evidente proveito) rentabilizar o seu riquíssimo espólio de santíssimas relíquias. A saber (entre tantas outras):

- a lingerie de que a senhora de Fátima se aliviou, naquele quente 13 de Maio de 1917, na Cova da Iria;
- a sandalinha que, pós-aparição, na vertiginosa ascenção aos céus, o fluxo de ar lhe arrancou do pezinho (direito);
- um farrapinho do manto que, nesse mesmo momento, ficou preso ao ramo da azinheira;
- uma côdea de carcaça (pré-milagre) e uma rosa seca (pós-milagre) da rainha Santa Isabel;
- um tufo de pelinhos da barba de Santa Liberata;
- a milagrosa imagem do Santo Condestável que derrotou o pérfido óleo Fula
- a pomadinha espiritual contra o pioderma de Madre Maria Clara.

... e também se arranja, de certeza, um Santo Prepucinho...

06 September 2016

É refrescante saber que existe um "vogal da secção de tradição e cultura" da JP na comissão política nacional do CDS e que o Che do cabelinho à foda-se e o Florimelo são aficcionados; mas bom, bom mesmo, era ver o moço/vogal na arena a trocar umas opiniões com o boizinho

Importava-se de repetir???!!!...

Quero ir para Marte

MAPAS SONOROS


No princípio, foi John Cage: “There’s no such thing as silence”. Ideia necessariamente completada e desenvolvida: “Estejamos onde estivermos, o que ouvimos é maioritariamente ruído. Quando o ignoramos, perturba-nos. Quando o escutamos, achamo-lo fascinante. O som de um camião a 50 milhas à hora. A estática entre estações de rádio. A chuva. Queremos controlar e capturar estes sons para os usar não como efeitos sonoros mas como instrumentos musicais. (...) O compositor (organizador de sons) terá à sua disposição não apenas a totalidade do campo sonoro mas também a totalidade do espectro temporal”. Alguns anos mais tarde (1977), Murray Schafer, abriria The Tuning Of The World com uma citação da “Song Of Myself”, de Walt Whitman (“I hear all sounds running together, combined, fused or following, sounds of the city and sounds out of the city, sounds of the day and night”), e um programa: “Que sons desejamos conservar, encorajar, multiplicar? (…) Pesquisas documentais, análise das diferenças, das semelhanças e das tendências, a protecção dos sons ameaçados de extinção (...), permitirão colocar, enfim, a questão essencial de saber se a paisagem sonora é um facto consumado que não podemos inflectir ou se somos, nós próprios, os seus compositores e intérpretes. Neste livro, considerarei o mundo como uma imensa composição musical”.



Tinha-o já posto em prática através do World Soundscape Project, na Simon Fraser University, de Vancouver – a primeira exploração organizada de ecologia acústica que articulava sociologia, planeamento urbano, filosofia e as várias artes –, e a descendência, até hoje, foi numerosa: da Wildlife Sound Recording Society ao World Forum For Acoustic Ecology e a blogs e arquivos sonoros como Sounds of our Shores/British Library, Europeana Sounds, Soundscape Explorations, Cities and Memory, Museum Of Endangered Sounds, ou o luso Lisbon Sound Map. O mais recente é The Next Station, primeiro mapa sonoro interactivo do Metro de Londres, para o qual contribuiram cerca de 100 "sound designers", músicos e residentes londrinos (e do resto do mundo), que tanto se dedica à captura dos espécimes sonoros subterrâneos como convida à sua mistura e reconfiguração, numa cartografia alternativa, paralela à real. Já existem, pelo menos, duas particularmente significativas: uma, de Martin A. Smith, que reimaginou Moorgate com acordeão, sinos e cigarras da Provença, e outra, da sueca Anya Trybala, que, sobre um "field recording" de Piccadilly Circus, criou uma meditação sobre o Brexit. “Mind the gap!”