31 July 2013

YEAH RIGHT, GARANTIAS ABSOLUTAS E SOLENES...
O ESTABELECIMENTO REABRIU MAS OS CLIENTES QUEIXAM-SE DA EXISTÊNCIA DE DEMASIADAS RESTRIÇÕES NO ATENDIMENTO
TRADUÇÃO: A FRASE QUE ME FOI ATRIBUÍDA NÃO SÓ ME FOI ATRIBUÍDA COMO A DISSE MESMO; MAS NÃO LEVEM A MAL PORQUE NÓS, DONDOCAS DOS FILTHY RICH, DIZEMOS MUITAS COISAS ASSIM SEM DAR USO AOS DOIS NEURÓNIOS E ERA ABORRECIDÍSSIMO SE ISSO PREJUDICASSE O NEGÓCIO DA FAMÍLIA (QUE, JURO, ADOOOORA POBREZINHOS!)

30 July 2013

23 July 2013

A RESPOSTA É SIM

  
Se, como sugere a mitologia grega, a origem e a natureza da música devem ser associados a dois instrumentos (o aulos e a lira) e a dois deuses (Diónisos e Apolo) em torno dos quais se definiriam, para sempre características essenciais – a exaltação, a tragédia e o drama num, a contemplação, o rigor, a harmonia no outro –, que ambas as divindades derramem generosamente os seus favores obre “cagin”, utilizador do YouTube: supostamente desde há dois anos (mas sendo o YouTube o animal esquivo que é, nunca pode ter-se a certeza), ele foi lá colocando, um por um, os seis episódios das conferências de Harvard, realizadas por Leonard Bernstein em 1973, subordinadas à designação The Unanswered Question, mais de 11 horas dedicadas a procurar responder a interrogações como “de onde vem e para onde vai a música?”. Inicialmente publicadas em vinil, pela CBS (1974), e em livro, pela Harvard University Press (1976), mesmo após o seu aparecimento em DVD, descobri-lo disponível nas lojas físicas e virtuais deste mundo sem bater regularmente com a testa no aviso “fora de stock”, não é a missão mais fácil a que poderíamos entregar-nos.



É por isso que, quem não se deixar intimidar pela aparente dificuldade de lidar com terminologia como tónicas, dominantes, séries harmónicas, tonalismo ou serialismo – estão lá todos e muitos mais mas, daquela forma só acessível aos grandes professores, Bernstein, mesmo quando não torna a totalidade dos conceitos evidente, deixa passar a ideia tranquilizadora de que o essencial foi apreendido – mal acabar de ler esta crónica, deverá precipitar-se para o YouTube e, "by all means necessary", assegurar-se que algures na memória do seu electrodoméstico preferido ligado à Net, as "six talks" ficam a salvo e prontas a ser longamente digeridas. Da busca, por via chomskiana, de uma competência inata comum para a linguagem e a música, Bernstein parte da fonologia para a semântica (“as delícias e os perigos da ambiguidade” é um dos grandes momentos), daqui para a morte e ressurreição do tonalismo no século XX e, no último capítulo, para a discussão, naturalmente polémica, da condição de beco-sem-saída estético do dodecafonismo (“Será que essa ambiguidade é apenas demasiado grande para ser entendida pelos nossos ouvidos humanos, ouvidos que estão, afinal, sintonizados com as nossas predisposições inatas, a despeito de todos os condicionamentos? Teremos finalmente tropeçado numa ambiguidade incapaz de produzir resultados estéticos positivos? Poderá conceber-se a existência de uma ambiguidade negativa?”). Antes, detivera-se sobre a peça de Charles Ives, de 1908, que dá o título às conferências – exemplo significativo, para ele, da crise da música tonal – e, após anunciar, profeticamente, a emergência de “um novo e magnífico ecletismo”, conclui declarando: “Acredito que ‘The Unanswered Question’ tem uma resposta. Não estou já muito certo de qual era a pergunta mas sei que a resposta é ‘sim’”. Podem começar pela primeira postura de “cagin” e vão por aí fora. Hoje ainda está lá. Amanhã pode já não estar. 
Conheci o conceito "indústria do adultério" há uns bons anos, a propósito de Brighton (suposta capital britânica da dita indústria, da mesma forma que se diz "Paços de Ferreira, capital do móvel"); acabei por ir a Brighton (não para "adulterar" mas para entrevistar o Nick Cave) e, nesse momento, apercebi-me de como deve ser lúgubre o adultério na Britânia

22 July 2013

O PLANETA INTEIRO EM RISCO: SUMO-PATÍFICE COLIGA-SE COM THE MEN IN BLACK!!!


"A confiança que conquistámos ao longo destes dois anos foi um pouco abalada" (aqui)

House of Games - real. David Mamet (1987)
Leonard Bernstein - The Unanswered Question 1973 (VI)

"O ministro dos Negócios Estrangeiros acha normal descrever o seu país como um protectorado. Como eram Marrocos, a Manchúria, a Boémia e Morávia, a Basotulândia, ou as ilhas Tonga. Repito: eu posso dizê-lo, ele não. O facto de o ministro usar essa classificação (ele não é analista, é ministro, pelo que a sua voz é aceite pelas diplomacias estrangeiras como sendo a descrição legítima, não só de facto mas de jure, da situação portuguesa) não tem origem em nenhum acto do Parlamento, nenhuma rendição de tropas, nenhum Pétain a assinar a submissão a Hitler, em nome da 'salvação nacional'. Se somos um protectorado, devemos organizar a resistência ou ser 'colaboracionistas'?" (daqui)

20 July 2013

O QUÊ?!!!... ENTÃO A PROTECÇÃO DO GRANDE FANTASMA CÓSMICO NÃO LHE CHEGA?

(clicar na imagem e, depois, usar a lupa)
O calca-mar monogâmico encheu-lhe a alma de felicidade mas, pouco depois, a aparição da osga foi um presságio de que o fim se aproximava (a hermenêutica presidencial é uma ciência de elevada complexidade)


19 July 2013



"Preconceito aristocrático e reaccionário" será o equivalente a dizer: Tózero, petúnia murcha, suave e fofa costureirinha, meiga Floribella, deliciosa mistura de professora primária solteirona, Laurinda Alves de saias, Cocó Rosie do Rato, escuteirinho sonso e xâmane de comuna hippie do sector dos bancários, se o menino existisse gostava de ser o quê? (Joãozinho, olhe que o papá zanga-se...)
LE DORMEUR DU VAL - ARTHUR RIMBAUD


C'est un trou de verdure où chante une rivière 
Accrochant follement aux herbes des haillons 
D'argent ; où le soleil de la montagne fière, 
Luit : C'est un petit val qui mousse de rayons. 

Un soldat jeune, bouche ouverte, tête nue, 
Et la nuque baignant dans le frais cresson bleu, 
Dort ; il est étendu dans l'herbe, sous la nue, 
Pâle dans son lit vert où la lumière pleut. 

Les pieds dans les glaïeuls, il dort. Souriant comme 
Sourirait un enfant malade, il fait un somme : 
Nature, berce-le chaudement : il a froid.

Les parfums ne font pas frissonner sa narine ; 
Il dort dans le soleil, la main sur sa poitrine 
Tranquille. Il a deux trous rouges au côté droit.
THE RUINS OF DETROIT (III)

(daqui)
Leonard Bernstein - The Unanswered Question 1973 (V)

DULCE ET DECORUM
 

Em Hitch-22, Christopher Hitchens conta como, quando universitário em Oxford, a decisão de se dedicar à escrita só foi verdadeiramente incendiada no momento em que descobriu o seu “padrão-ouro”, ao “embater contra o recife” da poesia de Wilfred Owen. Mais exactamente, o devastador "Dulce Et Decorum Est", imprecação anti-militarista contra a sanguinária selvajaria imperialista da Primeira Grande Guerra, espécie de versão "gore" do "Dormeur du Val", de Rimbaud. Não seria essa a última vez que o verso retirado das Odes, de Horácio (“Dulce et decorum est pro patria mori” – “é doce e honroso morrer pela pátria”), surgiria – ácido e envenenado ou ironicamente brandido – como estandarte anti-guerra: ninguém conseguirá uma noite de sono tranquilo depois de o ver projectado no genérico final do intolerável pesadelo que é Johnny Got His Gun (Dalton Trumbo, 1971) mas, sem descer a abismos tão profundos e escavando apenas a memória da música popular, ele enfrenta-nos, sob modelo punk tardio, via-The Damned,  em "In Dulce Decorum" (“Where I walk, where I see the haunting flares where my friends bleed, I see the face of the enemy of a man or boy who is just like me, and if I could ever sleep again, I know till the end of time I'd hear their screams of pain, dulce dulce decorum”, 1987), na voz de Regina Spektor (“After all the children being born into a time of searching for some glory, and the lie's still repeating through the years, dulce et decorum est pro patria mori”, em "Dulce Et Decorum Est Pro Patria Mori", nunca editada em disco), ou, com “mori” pronunciado como “morai” para rimar problematicamente com “tonight”, na "Drinking Song" dos Divine Comedy (“We live in an age when no man need bother, except on the stage, with dulce et decorum est pro patria mori, and definitely not tonight”, de Promenade). O que não impediu que a “old lie”, como Owen a designava, continuasse a ser o lema de diversos monumentos e instituições militares (nomeadamente da Academia Militar portuguesa).


Não sendo propriamente o género de cometimento que esperaríamos de Ian McCulloch, Pro Patria Mori é agora também o título de um dos volumes que constituem o duplo Holy Ghosts e, simultaneamente, de uma das canções – épica, insistente, amargamente quase weilliana – que tanto figura nesse como no outro que regista um concerto com secção de cordas na Union Chapel de Londres. Se a atmosfera deste remete para os empolgamentos orquestrais de Ocean Rain alargados a 15 temas do reportório clássico dos Echo & The Bunnymen e algum de McCulloch a solo que os acolhem sem quaisquer sintomas de rejeição (a música dos Bunnymen, mesmo nos momentos mais rasgadamente eléctricos de Porcupine, teve sempre implícito um desejo de grandiloquência), Pro Patria Mori, quarto álbum em nome individual, só num ou noutro ponto deixa acreditar que, algum dia, a glória sonora dos Bunnymen iniciais possa vir a ser recuperada apenas com uma das peças em actividade. Mas a genuflexão naïve de "Me And David Bowie" (“thanks for all you showed me, how to smoke a cigarette better than anyone, how to wear my overcoat so cool that I could freeze the sun”) tem muita piada.

18 July 2013


"Há pessoas com propensão para escolhas infelizes. Cavaco Silva, quando líder do PSD, escolheu Dias Loureiro para secretário-geral do partido e apadrinhou Duarte Lima no percurso que o levou a líder do respectivo grupo parlamentar. Já presidente da República, Cavaco Silva convidou João Rendeiro para dirigir a EPIS - Empresários pela Inclusão Social. Dias Loureiro não é propriamente alheio às trapalhadas que originariam a gigantesca burla do BPN. Duarte Lima é presidiário de luxo e suspeito de crime de homicídio. A fraude BPP tem um responsável: João Rendeiro" (Santana Castilho no "Público" de ontem)
 
É "oficial" e não tem nome? A sms veio de número anónimo? E, se veio de número anónimo, como saber que é "oficial" e "socialista"?

Highlights:  

"O director do parque parou, baixou-se, enfiou a mão num buraco e da areia tirou um pequeno calca-mar, uma das espécies em maior número nas ilhas. Logo depois passou-o para a mão de Cavaco Silva que, sorridente, a mirou com um olhar deliciado e a exibiu aos jornalistas";

"O director do parque adiantou alguns detalhes sobre o animal, explicou que o macho e a fêmea se alternavam a chocar os ovos o que motivou nova interrogação do Presidente: “É sempre o mesmo parceiro?”. “Sempre o mesmo”, explicou Paulo Oliveira (garantida fonte de inspiração para futuro opus da poetisa Silva).



What will we do with a drunken sailor?
What will we do with a drunken sailor?
What will we do with a drunken sailor?
Early in the morning!

Way hay and up she rises,
Way hay and up she rises,
Way hay and up she rises,
Early in the morning!

Shave his belly with a rusty razor,
Shave his belly with a rusty razor,
Shave his belly with a rusty razor,
Early in the morning!

Way hay and up she rises...

Put him in a long boat till his sober,
Put him in a long boat till his sober,
Put him in a long boat till his sober,
Early in the morning!

Way hay and up she rises...

Stick him in a barrel with a hosepipe on him,
Stick him in a barrel with a hosepipe on him,
Stick him in a barrel with a hosepipe on him,
Early in the morning!

Way hay and up she rises...
 
Put him in the bed with the captains daughter,
Put him in the bed with the captains daughter,
Put him in the bed with the captains daughter,
Early in the morning!

Way hay and up she rises...
 
That's what we do with a drunken sailor,
That's what we do with a drunken sailor,
That's what we do with a drunken sailor,
Early in the morning!

Way hay and up she rises...

17 July 2013

Não chega aos calcanhares da Taxa Camarae mas, graças a deus, pecar tornou-se, sem dúvida, muito mais fácil

PUSSY RIOT - "LIKE A RED PRISON"
 
Código Civil Artigo 336.º - Acção directa

1. É lícito o recurso à força com o fim de realizar ou assegurar o próprio direito, quando a acção directa for indispensável, pela impossibilidade de recorrer em tempo útil aos meios coercivos normais, para evitar a inutilização prática desse direito, contanto que o agente não exceda o que for necessário para evitar o prejuízo. 

2. A acção directa pode consistir na apropriação, destruição ou deterioração de uma coisa, na eliminação da resistência irregularmente oposta ao exercício do direito, ou noutro acto análogo. 


... e a densificação do nível metafórico da linguagem torna-se, de facto, alucinante

("JN")
Juro que já nem vagamente me lembrava que tinha escrito isto * - mas as "genuine social-political implications of a revolutionary musical movement" parecem ficar agora muito mais esclarecidas

* eternamente grato por me cuidarem dos arquivos (com tradução inglesa e tudo)

16 July 2013

Como ninguém, no seu perfeito juízo, desejaria entrar para o governo neste momento (e não é aos 62 anos que se vai "fazer currículo"), só se pode concluir pela imensa generosidade quase "pro bono" de ir lá fazer umas limpezas e arrumar alguns papéis
(daqui)
E, A SEGUIR, A NANNY
PROFESSORES ARROJA E DAS NEVES, PODERIAM ELABORAR SOBRE O MOMENTOSO TEMA "A VERGONHA DE JESUS E AS VERGONHAS, AI JESUS!"?

ESTÁ, DE FACTO, A DESENHAR-SE

("A Bola")

("i")
O IRREPRIMÍVEL "CALL OF THE WILD"

Leonard Bernstein - The Unanswered Question 1973 (IV)

FAZ-ME UM BIC
Les Witches - Nobody's Jig / Mr. Lane's Magott / Black and Grey 
(John Playford's English Dancing Master)

14 July 2013

CDS: FOCO INFECCIOSO
Dada a vertiginosa elevação do nível metafórico da linguagem, é de prever que, muito brevemente, se passará do "entalado" para o "sodomizado"
 
... ou, na língua de Tarantino: "I'm gonna get medieval on your ass...!"
Leonard Bernstein - The Unanswered Question 1973 (III)

13 July 2013

DE ACORDO; COMEÇAMOS POR AQUI? 

SHIBARI! (kinky politics *)

"Deu-se há dias a primeira manifestação organizado pelo sindicato do governo. Não foi na rua, nem na Assembleia (nas galerias), nem às portas duma fábrica ou empresa, nem a cantar a Grândola, foi numa igreja durante uma missa. Não sei o que pensa o novo Patriarca, ou a Igreja, mas assistir à primeira manifestação pública do sindicato do governo durante uma missa coloca-lhe o dilema da lembrança de Cerejeira, presumo que lembrança muito mal vinda. Ele há cada uma, ir manifestar-se para uma Igreja durante uma missa, com dezenas de guarda-costas cá fora, é um penoso retrato do nosso sindicalismo governamental. No entanto, tem uma enorme vantagem sobre os grevistas da CGTP e da UGT, não perdem o salário de um dia de trabalho" (aqui)

Fé, muita fé e a persistente crença no milagre tricológico

12 July 2013

BOLICOISO (2011)

(daqui)
O pós-troika está já em preparação! Ou tratar-se-á da chegada da "personalidade de reconhecido prestígio"? A imagem, no entanto, faz pensar que o observador poderá ter-se distraído com outra coisa

Aí por volta das 10 da manhã, numa breve escuta do show em versão rádio, o que mais sobressaía era o timbre de barítono histerizando perturbadoramente para tenor e ameaçando perigosamente o falsetto
BESTIÁRIO
 

Dêem-lhe corda e, enquanto tiver fôlego, Tom Waits é capaz de, interminavelmente, debitar nacos de improvável sabedoria sobre o mundo animal: "Sabia que se deitar uma gota de álcool em cima de um escorpião, ele enlouquece e pica-se até morrer? E sabia que as moscas só vivem duas semanas? Eis uma coisa a ter em conta quando matamos moscas. Serão velhas? Terão acabado de nascer? E sabia que os mosquitos preferem as crianças aos adultos e as loiras às morenas? Não sei se são capazes de distinguir as loiras naturais das outras mas acredito que alguns já devem ter sido capazes de evoluir até esse ponto. E as formigas espreguiçam-se quando acordam (já foram vistas a fazê-lo ao microscópio!) e também bocejam. E, depois do trabalho, vão a uns barzinhos pequeninos onde bebem um néctar que as põe um bocadinho tontas. Só para acabar (não o quero maçar com mais histórias destas), os mosquitos são mais atraidos pelo azul do que por qualquer outra cor. O que quer dizer que, nos trópicos, convém usar camisas vermelhas”. Brett e Rennie Sparks (aka The Handsome Family) não costumam fazer o mesmo mas o seu último álbum, Wilderness, reúne uma dúzia de canções em que o título de cada uma é o nome de um animal (“Flies", "Frogs", "Octopus", "Lizard"...). Não se trata, contudo, de ampliar a outras espécies o subgénero da folk-entomológica inaugurado por Mirah em Share This Place (2007). 



Deles – sobre quem Greil Marcus afirmou “O seu surrealismo do quotidiano não tem paralelo na escrita de canções contemporânea”ninguém espera algo de tão confortável: durante os já vinte anos de percurso desde que o ex-cristão "born again" estudioso de música medieval e a ex-"acid head" adolescente que acredita ter sido Hildegard von Bingen a maior "songwriter" de sempre se encontraram (quando ela lhe entregou um cartão com manchas de sangue e uma citação de Thomas Pynchon), habituaram-nos a patinar sobre aquele terreno escorregadio em que Flannery O’Connor reescreve os pesadelos de Kafka e, algures entre o gótico sulista e a devoção pelos Beatles, o imprevisível equilíbrio se descobre. Desta vez, porém, talvez seja mais apropriado falar de um universo filmado, em simultâneo, por dois David (Lynch e Attenborough) com texto e música de Hank Williams e Edgar Allan Poe: o que o "bear hug" com que o barítono profundo de Brett nos envolve vai narrando são a gastronómica beleza do cadáver do general Custer tal como as moscas o viram nas pradarias de Montana (there’s a Wal-Mart now where once the grizzlies roamed”), a história de Mary Sweeney, a louca do Wisconsin, que, em 1896, se aplicava a estilhaçar vidros de janelas (“She was a woodpecker, she couldn’t help but free all the things that hide inside all the pretty trees”) ou a daquela outra mulher que, atingida por um raio, acaba aprisionada num casulo tecido por lagartas (“Keeping time with every rumble, every quiver of the earth, and she slowly changes shape with the turning of the world”). Em matéria de folk "noir" vertida no registo de bestiário sobrenatural assombrado pelo espectro das "murder ballads", durante muito tempo, não irá haver melhor.

11 July 2013

 ... então porque não serão, pensa lá...


(cor de cabelo a condizer com o da srª presidente)

(entrevista de Amélia Muge e Michales Loukovikas ao "The Dawn")
Em embrião, o espectro já pairava por aqui
DÚVIDAS 
(sequência daqui

1) Se "o actual Governo se encontra na plenitude das suas funções", porquê propôr-lhe já uma alternativa e/ou antecipar-lhe o óbito para daqui a um ano? 

2) Se "o governo que resultar das próximas eleições poderá contar com um compromisso entre os três partidos que assegure a governabilidade do país, a sustentabilidade da dívida pública, o controlo das contas externas, a melhoria da competitividade da nossa economia e a criação de emprego", PSD, PS e CDS/PP não deveriam estar dispensados de concorrer a essas eleições? Ou concorrem em coligação?

3) Não estando dispensados de concorrer às eleições em 2014 nem concorrendo em coligação, mas tendo assinado o "compromisso", a Comissão Nacional de Eleições fornecerá lupas aos eleitores para poderem distinguir as diferenças dos programas eleitorais de PSD, PS e CDS/PP?

4) Quando adverte que, caso falhem o "compromisso de Salvação Nacional", os portugueses deverão “tirar as suas ilações” sobre as “responsabilidades" dos três partidos do arco da governação, o Bolicoiso está a apelar ao voto no PCP e BE?

5) Concorrendo separados, em coligação, assinando ou não o "compromisso", com governo de iniciativa presidencial ou sob outra abstrusa fórmula "de entendimento", a campanha eleitoral que, hoje, se inicia não vai condicionar um bocadinho a salvação da pátria?

6) E, se a Fatinha intervier mais uma vez e o governo de iniciativa presidencial (ou sob outra abstrusa fórmula "de entendimento") que se encontrar em funções, em Junho de 2014, estiver a funcionar muito, muito, muito bem, vamos incomodá-lo com eleições ou prosseguimos, felizes, a ascenção ao paraíso?

10 July 2013

Em síntese: 

1) afinal, passou-se algo

2) antes não se tivesse passado; 

3) na verdade, foi o Bolicoiso que se passou e não perdeu a oportunidade para, de uma só vez, passar a ferro Portas (o "Independente" estava-lhe atravessado) e Coelho; 

4) com eleições marcadas para daqui a um ano, um governo "de salvação nacional" constituído pelos três partidos que lutam pelo poder iria fazer parecer a era dos Borgias uma comuna hippie de paz e amor - logo, só pode ser cortina de fumo (será que é agora? - nunca conseguiria imaginar que o Bolicoiso era tão lento);

5) foi um bonito momento de autocrítica reconhecer que é capaz de ser necessária "uma personalidade de reconhecido prestígio" para meter a mão no saco dos lacraus;

6)  o revogável irrevogável ainda é ministro ou não?

7) amanhã as acções da Unicer devem dar um tombo que faxavôr; 

8) Kaizer Albino 1 - Poetisa Silva 0: só podem ser coisas do Demónio, a Fatinha estava distraída.

(as dúvidas, aqui)
O forninho continua a aquecer mas frases como "Estive em silêncio durante dois anos pelo respeito que procurei ter pelo meu sucessor. O mínimo que posso pedir é que seja recíproco" são de uma imensa e fétida eloquência (mas claro que no pasa nada)
VINTAGE (CLIV)
 
Echo & The Bunnymen - "Rescue"/"Never Stop"

O PENSAMENTO FILOSÓFICO PORTUGUÊS (CXVIII) 

Pedro Arroja

SIM! SIM! SIM!




(no fundo da página: toda a atenção aos "top Palinisms"!)

The Divine Comedy - "Drinking Song"

09 July 2013

O PENSAMENTO FILOSÓFICO PORTUGUÊS (CXVII) 

João César das Neves

"O Julgamento Final" - Luca Signorelli (1500)
ESPECIAL "PORTAS" (VERÃO 2013)





Sôr Aníbal, acredite, um homem pode mudar! 

Este pessoal porreirinho e amigão anda a dar umas dicas interessantes "aos de cima" 

"At the start of the crisis, it was generally assumed that the national legacy problems were economic in nature. But, as the crisis has evolved, it has become apparent that there are deep seated political problems in the periphery, which, in our view, need to change if EMU is going to function properly in the long run. The political systems in the periphery were established in the aftermath of dictatorship, and were defined by that experience.  (...)

Political systems around the periphery typically display several of the following features: weak executives; weak central states relative to regions; constitutional protection of labor rights; consensus building systems which foster political clientalism; and the right to protest if unwelcome changes are made to the political status quo. The shortcomings of this political legacy have been revealed by the crisis. Countries around the periphery have only been partially successful in producing fiscal and economic reform agendas, with governments constrained by constitutions (Portugal), powerful regions (Spain), and the rise of populist parties (Italy and Greece). There is a growing recognition of the extent of this problem, both in the core and in the periphery. Change is beginning to take place. Spain took steps to address some of the contradictions of the post-Franco settlement with last year’s legislation enabling closer fiscal oversight of the regions. But, outside Spain little has happened thus far. The key test in the coming year will be in Italy, where the new government clearly has an opportunity to engage in meaningful political reform. But, in terms of the idea of a journey, the process of political reform has barely begun". (aqui)
Leonard Bernstein - The Unanswered Question 1973 (II)

08 July 2013

O PENSAMENTO FILOSÓFICO PORTUGUÊS (CXVI) 

Pedro Arroja


A nação é uma MILF (parte I)

"Não existe, provavelmente, ideia mais incompreendida no espírito popular do que a ideia de virilidade. Associa-se, em primeiro lugar, a virilidade ao sexo, e ao sexo masculino, e depois considera-se viril o homem que tem muitas relações sexuais, às vezes com muitas mulheres.

Aquilo que se me oferece dizer a este respeito é que a virilidade, embora também se exprima fisicamente, é, em primeiro lugar, uma qualidade espiritual. A virilidade diz respeito, em primeiro lugar, ao espírito e só secundariamente ao corpo. E quanto à ideia popular de que um homem viril é um mulherengo, um homem que passa a vida em relações sexuais com mulheres ou nos braços de mulheres, não pode existir nada de mais errado. Um mulherengo não é um homem viril, é um homem mole, porque uma das consequências essenciais de uma relação sexual entre um homem e uma mulher é o de ela permitir à mulher tirar a virilidade ao homem.

Então o que é um homem viril? Se eu tivesse de definir numa só palavra, diria: é um homem contido. A própria palavra viril, que tem origem no latim, apela à ideia de contentor (âmbula ou redoma de vidro). Do ponto de vista sexual e menos importante para os efeitos do meu argumento, o homem viril pratica o sexo com contenção de tal maneira que, quando o faz, se encontra na sua máxima potência (ao contrário do mulherengo que, passando a vida a praticar sexo, não tem potência nenhuma). (...)

A Nação, que é uma figura de mulher madura, aprecia um homem assim. Porque esse homem é que lhe dá garantias de que a relação é fecunda e é uma relação para sempre. A Nação vai provocá-lo muitas vezes e das mais variadas formas, picando-o, espicaçando-o, gozando com ele, pondo-lhe alcunhas, insultando-o até, mas ele não reage a nada disso. Mantém-se calado, aguenta tudo. É um homem  contido, é um homem viril". (aqui; agradecimentos ao FNV que me chamou, de novo, a atenção para um grande mestre ao qual andava indesculpavelmente desatento)

Regina Spektor - "Dulce Et Decorum Est Pro Patria Mori"

After all, everything'd been said and done
I feel, I feel better now
Come away, lay your hands and rest and close your eyes
Say a prayer for those who've gone

It's hard, it's hard
It's hard, it's hard
To live, to live
To live, to live

It's hard, it's hard
It's hard, it's harder
Than it's ever been before
Things that used to comfort me
Don't comfort me anymore

After all, the children being born into
A time of searching for some glory
And the lie's still repeating through the years
Dulce et Decorum Est Pro Patria Mori

It's hard, it's hard...

But you can't spend your whole life
Waiting for God to kiss you
You can't spend your whole life
Waiting for God to kiss you
Can't spend your whole life
Waiting for God to kiss you back
Come on, come on, come on, back

It's hard, it's hard...
"Nunca em toda a minha vida, antes ou depois do 25 de Abril, senti um tão agudo ambiente de 'luta de classes'. Os de baixo contra os de cima. Os de cima contra os de baixo. Os de cima que fazem de conta que não há os de baixo, não existem, ponto. Os de baixo que se pudessem apanhar os de cima, sem a corte de guarda-costas, os fariam passar um mau bocado. Sem organização, sem instigação, como quem respira (...)" (aqui)

07 July 2013

Leonard Bernstein - The Unanswered Question 1973 (I)

I SEE DEAD CATS




O SILÊNCIO NÃO EXISTE, OUVIRAM? 


John Cage terá escrito e feito tudo o que lhe era possível para nos explicar que “there is no such thing as silence” (demonstrando-o até praticamente em 4’33”). Mas, mais de meio século depois, isso continua a não impedir que – directa ou indirectamente influenciados por problemáticas digestões "new age" (e afins) de orientalismos avulsos – os apelos ao silêncio como suposta via de acesso a duvidosas entidades como “o eu interior” ou “a verdadeira realidade” se repitam. As britânicas (mais gaulesa incluída) Savages elevaram mesmo a atitude ao nível do manifesto, imprimindo na capa do seu álbum de estreia um apelo em que, equivocadamente, proclamam que “o mundo costumava ser silencioso, agora contém demasiadas vozes e o ruído é uma distracção constante que multiplica, intensifica e desvia a nossa atenção do que é conveniente, e do que fala de nós próprios”, concluindo com a sugestão de que “se o mundo se calasse, mesmo que só por um instante, talvez pudéssemos começar a escutar o ritmo distante de uma jovem melodia rebelde”. Naturalmente, a primeira faixa intitula-se "Shut Up", mas, ainda que estivéssemos dispostos a levar a sério a pregação, rapidamente desistiríamos ao descobrir que a “jovem melodia rebelde” é uma quase quarentona com os traços de personalidade de Ian Curtis e a voz de Siouxsie Sioux.



Entretanto, em Lisboa, no passado dia 21 de Junho, teve lugar um concerto, aparente filho natural de Cage: Lisboa Em Si, concebido por Pedro Castanheira em torno do número 7 (7 colinas, 7 minutos de duração do terramoto de 1755 e do próprio concerto), propunha-se gerar uma “’epifonia’, uma epifania de som”, através da articulação das sonoridades de apitos de embarcações, viaturas de bombeiros, comboios, sinos de igrejas e campainhas de eléctricos, produzidas ao vivo e convidando-nos a estar presentes em 7 pontos de escuta, com o centro de operações no Terreiro do Paço. Se a concretização ficou seriamente aquém da potencial “utopia sonora” – à beira Tejo, pouco mais se ouviu do que distantes sirenes de barcos e de um carro de bombeiros –, a raiz do projecto estava já ela infectada por uma “traição” a Cage: segundo Castanheira, “O grande desafio é calar a cidade. Os carros, os bailaricos. Pedimos às pessoas que com o seu silêncio sejam parte activa na partitura. Porque normalmente estão a fazer barulho. E se estiverem em silêncio durante sete minutos é como se estivessem a tocar, naquele momento estão a tocar pausas”. John Cage pensava de modo diferente: “Não existe tal coisa como um espaço vazio ou um tempo vazio. Há sempre algo para ver, alguma coisa para ouvir. Na verdade, por mais que tentemos fazer silêncio, não conseguimos. Estejamos onde estivermos, o que ouvimos é, essencialmente ruído. Quando o ignoramos, perturba-nos. Se o escutarmos, achamo-lo fascinante”. A verdade é que o autêntico concerto dos sons urbanos de Lisboa só ocorreu quando as muitas pessoas que se tinham deslocado à Praça do Comércio a começaram a abandonar e, numa Rua do Ouro engarrafada, um coral de buzinas de automóveis tomou conta do lugar. Está lá, todos os dias, pronto para ser desfrutado.

06 July 2013

Déjà vu


Olha... um primeiro-coiso (patriótico, claro!) com boneco de cartão ao lado outra vez... (mudo mas imensamente eloquente)

Dúvida absolutamente legítima


Esta coisa é "de esquerda"?
 

(aide mémoire)


"O patriotismo é o último refúgio dos canalhas" (Samuel Johnson)

“Se me perguntam...


... se eu disse que era 'irrevogável'? Bruxo! Se me perguntam se eu disse que 'obedecia à minha consciência e mais não podia fazer'? Correcto e afirmativo. Se me perguntam se eu declarei que 'ficar no Governo seria um acto de dissimulação'? Olarilas. Se me perguntam por que motivo, então, fico? Sei lá! Se calhar é por causa das condições atmosféricas, como dizia o outro. Ou porque o gajo da Super Bock (rock'n'roll, yeah!) me convenceu que vende mais bejecas se eu estiver com a mão no pote (e, se ele estiver também, ainda melhor). Ou porque, quando ando de submarino, sou acometido pela embriaguez das profundezas. Ou porque digo sempre a primeira coisa que me vem à cabeça. Sou como a Jessica Rabbit, "I'm not bad, I'm just drawn that way".



Mas, pensando bem, no fundo, no fundo, acreditem, foi pela simples razão de que fiquei inteiramente convencido que isso conduziria a uma crise nas negociações com a missão externa, a que se seguiria uma crise do Governo, a que se seguiria um caos que levaria a desperdiçar todo o esforço já feito pelos portugueses (stop me if you think you've heard this one before)". (antecipação do discurso de Paulo Portas, logo ao fim da tarde)

programa de ajustamento


Quer dizer que um faz de João Semedo e o outro de Catarina Deneuve Martins?

("CM")
 
("Público")

("Expresso")

05 July 2013

(à suivre)


A JOKE A DAY KEEPS THE DOCTOR AWAY (V)

spy vs spy


ANNA CHAPMAN RULES! (yes, she does)

processo de canonização em curso


OS FUNCIONÁRIOS DA VATICANO S.A., DESDE QUE O SANTO CHIQUINHO É O CEO DA EMPRESA, SÓ SE RODEIAM DOS MELHORES

confirma-se...


... foi por causa disto que deus criou os economistas:

2013 vai ter o Verão mais frio dos últimos dois séculos
 
Temperaturas poderão superar máximos históricos

... clonagem...


(mantém-se em estado crítico mas estável)


Sentia-se doente. Meteu atestado médico.